Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de setembro de 2016. Atualizado às 12h08.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Construção Civil

Vendas de materiais de construção caem 5,9% em agosto, diz Abramat

No acumulado do ano, o setor sofreu queda de 12,5%

No acumulado do ano, o setor sofreu queda de 12,5%


CLAITON DORNELLES/JC
As vendas das indústrias de materiais de construção no País em agosto caíram 5,9% em comparação com o mesmo mês do ano passado. Já em relação a julho deste ano, houve crescimento de 5,6%, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira (6), pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). A pesquisa já considera o faturamento deflacionado com as vendas.

No acumulado do ano, o setor sofreu queda de 12,5%. Já no resultado acumulado dos últimos 12 meses, houve retração de 14,5%.

Apesar de o resultado de agosto indicar a redução no ritmo de queda, não será suficiente para reverter o resultado negativo de 8,0% previsto para 2016, de acordo com a avaliação de Walter Cover, presidente da Abramat.

"O setor aguarda medidas impulsionadoras de atividade na construção, já que o segmento é, tradicionalmente, o que responde mais rapidamente a incentivos, principalmente no emprego de mão de obra, que é uma das principais preocupações do novo governo", afirma Cover, por meio de nota distribuída à imprensa.

O nível de emprego nas indústrias de materiais é outra variante que apresentou baixa. Segundo a pesquisa de agosto, houve queda de 9,4% na comparação com igual mês do ano passado. Já em comparação com julho de 2016, os números indicam retração de 0,5%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia