Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 05 de setembro de 2016. Atualizado às 20h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

investimentos

Alterada em 05/09 às 20h04min

Bndes: mais empresas devem receber financiamento para exportação

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) espera que mais empresas acessem a linha de financiamento voltada à exportação, o Exim Pré-embarque, com as mudanças nas condições de pagamento anunciadas nesta segunda-feira (5). A ideia é focar em companhias com potencial de geração de emprego no mercado interno e que, ao mesmo tempo, têm dificuldade de conseguir dinheiro a baixo custo. Em contrapartida, o volume total desembolsado para exportação deve cair, segundo o superintendente da área de Comércio Exterior do Bndes, Leonardo Pereira.
Na prática, a principal mudança foi a melhora das condições de financiamento garantidas às empresas de médio-grande porte, sobretudo às de bens de consumo. A partir de agora, elas passam a ter acesso às melhores taxas oferecidas pelo banco, até então restrita às micro e pequenas empresas. O grupo terá acesso a financiamento com juros anuais atrelados à TJLP, que em setembro está fixada em 7,5%, bastante inferior à Selic, fixada em 14 25%. O BNDES também está disposto a financiar uma parcela maior dos projetos dessas empresas. Pelas novas regras, a participação será de até 70%, ante o limite de 40% da política vigente até então.
"O banco vai priorizar o recurso mais nobre para segmentos que têm mais dificuldade de ter acesso ao crédito, apesar de serem grandes geradores de emprego. A ideia é tentar alargar a base de exportação", afirmou Pereira.
Em compensação, as grandes empresas exportadoras, com faturamento anual superior a R$ 300 milhões, vão pagar mais caro pelo crédito. Das empresas de bens de capital, serão cobrados juros atrelados à Selic, na proporção de 70%, e à TJLP, de 30%. Antes, a taxa básica era a única referência. O limite de participação nos projetos, no entanto, foi ampliado de 40% para 70%.
Já para as exportadoras do segmento de bens de consumo, os juros serão 100% atrelados à Selic. Antes, a cesta de referência era composta por TJLP, na proporção de 60%, e Selic, 30%. O limite de participação do banco passou de 50% para 70%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia