Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de setembro de 2016. Atualizado às 08h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Cobre opera em leve alta, antes de relatório de empregos dos EUA

Os contratos futuros de cobre operam em leve alta nesta sexta-feira (2), à espera da divulgação do relatório mensal de empregos dos Estados Unidos, que sai às 9h30min (de Brasília). O dado pode influir nas expectativas sobre quando haverá elevação nos juros no país e, consequentemente, em todos os mercados. Ontem, o metal fechou perto da estabilidade, depois de um dado positivo da indústria da China, mas que foi contrabalançado pela fraqueza do petróleo.

Às 7h05min (de Brasília), o contrato para três meses era negociado em alta de 0,03%, a US$ 4.626,50 a tonelada, e na semana apresentava alta de 0,13%. Às 7h38min, o cobre para dezembro subia 0,29%, a US$ 2,0815 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

Analistas preveem que tenham sido geradas 180 mil vagas nos EUA em agosto e que a taxa de desemprego recue dos atuais 4,9% para 4,8%. Em julho, houve 255 mil postos criados.

Caso saia um dado forte de empregos dos EUA, isso pode fortalecer o dólar, o que pressionaria os mercados de commodities. O cobre é negociado em dólar e, no caso do fortalecimento da moeda, ele se torna mais caro para os detentores de outras divisas.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o alumínio caía 0,5%, a US$ 1.609 a tonelada, e o chumbo recuava 0,05%, a US$ 1.940 a tonelada e o zinco tinha baixa de 0,05%, a US$ 2.343,50 a tonelada. O níquel subia 0,35%, a US$ 9.965 a tonelada, e o estanho avançava 0,8%, a US$ 19.255 a tonelada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia