Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de setembro de 2016. Atualizado às 22h38.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 30/09/2016. Alterada em 29/09 às 20h10min

Um precioso legado

O ano de 2016 assinalou os 211 anos da profícua existência da "Irmandade de Caridade do Senhor Bom Jesus dos Passos", que figura entre as três mais antigas entidades assistenciais do Rio Grande do Sul. Sua regra estatutária estipula ser ela uma congregação de católicos, tendo por finalidades básicas o culto religioso e o exercício da caridade. Em 1 de janeiro de 1848 foi lançada a pedra fundamental da Casa de Caridade de Rio Pardo, destinada a sediar um hospital. Escolhera-se a data para a solenidade, a fim de "memorar o aniversário da Alva Visita com que Sua Majestade, o Imperador, e sua Augusta Consorte, a senhora D. Theresa Christina Maria se dignaram honrar esta cidade". Mas as obras se arrastaram, tendo em vista a volumosa estrutura do elegante prédio. Então, a Assembleia Provincial não emprestou eficiente apoio ao empreendimento. Cedido, nele viriam a instalar-se, sucessivamente, escola e unidades militares, educandário religioso e, atualmente, o prestigiado "Centro Regional de Cultura". Entretanto, em 1929, a Irmandade entregava à população o moderno "Hospital dos Passos", e que hoje, mediante convênio com o município de Rio Pardo, transformou-se em nosocômio de referência regional, focado na assistência pelo Sistema Único de Saúde (SUS), esperando-se que o ajuste prevaleça e frutifique. (Fernando Wunderlich, advogado, Rio Pardo/RS)
Bocha não é cultura?
O conceito de cultura como o conjunto de realizações humanas, materiais ou imateriais, postulado por antropólogos desde o século XIX, ainda não foi assimilado pelos gestores das políticas de distribuição de recursos culturais de Porto Alegre. A Federação Gaúcha de Bocha, entidade com 71 anos de atividades interruptas, inscreveu no último edital do Fumproarte de Porto Alegre uma proposta de realização de documentário. A iniciativa tem como objetivo desconstruir a concepção de que a bocha é um esporte praticado apenas por idosos, demonstrando que o caráter da tradição e perpetuação do esporte se mantém através de gerações, dentro de um circuito do esporte de alto rendimento. O projeto foi rejeitado. A justificativa: não se tratava de cultura. Bocha é um esporte e é uma cultura. E não somos nós, apaixonados por bocha quem o dizem. A antropologia é quem descreve, em inúmeros estudos, este fato. Considerada o esporte tradicional mais praticado nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso pelo Atlas do Esporte, elaborado pelo Conselho Federal de Educação Física, a prática desportiva continua sendo menosprezada. Somente em 2015, os gaúchos participaram de 26 campeonatos estaduais, cinco nacionais e cinco mundiais. (Davi Lima de Oliveira, presidente da Federação Gaúcha de Bocha)
Democracia?
Não sou adepto de Michel Temer (PMDB), nem nele votei - como também em Dilma Rousseff (PT). Agora, representantes de Cuba na Assembleia Geral das Nações Unidas se retirarem em protesto contra o "impeachment" e o "golpe na democracia no Brasil" foi uma piada de mau gosto. Os irmãos Fidel e Raúl Castro mandam e desmandam em Cuba desde 1959, mas lá tem "democracia"? (Pietro Marcondez)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia