Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de setembro de 2016. Atualizado às 22h25.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 14/09/2016. Alterada em 13/09 às 18h28min

Propriedade para investimento

O controller Marcos Almeida

O controller Marcos Almeida


ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
Marcos Almeida
Muito se discute acerca da convergência contábil aos padrões internacionais de contabilidade (IFRS), como adequações necessárias na contabilidade das empresas em geral, algumas com maior outras com menor impacto. Tais normas, num primeiro momento, podem ter sido vistas com certo receio pelo mercado, contudo este processo de adequação é uma quebra de paradigma na contabilidade societária brasileira pelo fato de desmistificar a visão que algumas pessoas possuíam acerca do contador, dos registros contábeis e das próprias demonstrações contábeis, pois para alguns estes eram apenas focados ao atendimento de obrigações fiscais, mas, a partir do processo de convergência, passaram a ser vistos como realmente são, ou seja, peças fundamentais a qualquer tomada de decisão, quer seja por parte da administração, do investidores e demais stakeholders.
Neste contexto, importante destacar à Norma Brasileira de Contabilidade - NBC TG 28 (R3), do Conselho Federal de Contabilidade, que aprovou o Pronunciamento Contábil 28 (R3), do Comitê de Pronunciamentos Contábeis. A referida norma trata das propriedades para investimento das empresas que, conforme interpretado pela Resolução CFC nº 1.263/09, são os bens imóveis que as empresas possuem, mas que não estão participando na geração de faturamento, ou seja, são bens que podem ter sido adquiridos como investimento, por ocasião de mercado, ou ainda unidades fabris que foram desativas e que estão ou poderão ser arrendadas a terceiros. Ainda conforme a Resolução nº 1.263/09, diferentemente do ativo alugado classificado no imobilizado, a propriedade para investimento possui um fluxo de caixa independente, ou seja, a propriedade para investimento é o ativo principal gerador de benefícios econômicos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia