Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de agosto de 2016. Atualizado às 20h35.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Alterada em 24/08 às 20h39min

TCU prorroga pela segunda vez prazo para Dilma explicar contas

O Tribunal de Contas da União (TCU) concedeu nesta quarta-feira (24), mais 15 dias para que a presidente afastada Dilma Rousseff apresente suas explicações para irregularidades apontadas nas contas de 2015, entre elas as citadas no processo de impeachment. O prazo venceu na véspera, mas a petista alegou não ter recebido todas as informações requisitadas aos órgãos de governo.
Esta é a segunda prorrogação autorizada pela corte. Em junho, o TCU apontou 23 impropriedades nos balanços de 2015 apresentados pelo governo, abrindo prazo de 30 dias para Dilma entregar justificativas. No mês passado, a presidente afastada requereu o primeiro adiamento, alegando que o tempo não seria suficiente para elaborar a defesa. O tribunal, então, esticou o prazo em 30 dias.
Na sessão desta quarta, o relator do processo, José Mucio Monteiro, afirmou que as algumas provas complementares ainda estão fora do alcance da presidente e propôs que os demais ministros aceitassem o pedido, em caráter agora definitivo e improrrogável.
Um ofício da própria Advocacia-Geral da União (AGU), entregue ao relator, atestou que parte dos dados ainda não foi entregue "por atraso". A pasta, no entanto, se comprometeu a apresentá-los em cinco dias.
O novo prazo venceria em 7 de setembro, mas, como se trata de feriado, os documentos poderão ser entregues ao TCU no dia seguinte.
Depois de receber a defesa, o TCU vai decidir se dá parecer pela reprovação ou a aprovação das contas de 2015. A corte entendeu que cabia a rejeição ao apreciar os balanços de 2014.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia