Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de agosto de 2016. Atualizado às 22h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Contas Públicas

09/08/2016 - 22h03min. Alterada em 09/08 às 22h03min

Relator retira do projeto da dívida menção à ata que reforçava contrapartidas

O relator do projeto de renegociação da dívida dos Estados com a União, deputado Esperidião Amin (PP-SC), anunciou nesta terça-feira que vai retirar do texto a menção à ata do acordo assinado pelos governadores, que constaria em anexo da proposta.
Na prática, essa referência era uma salvaguarda, pois garantiria que os entes federados deveriam cumprir as contrapartidas acordadas, mesmo que os incisos que impõem essas obrigações sejam retiradas do projeto durante a votação. Amin havia incluído a menção ao "Anexo Único", que traria a ata do acordo, na redação do texto acertada hoje.
Desde a semana passada, o Ministério da Fazenda vinha sinalizando que o próprio acordo prevê que os Estados têm de cumprir as contrapartidas, que são a limitação do crescimento das despesas à inflação e a restrição na concessão de reajustes a servidores, ambas por dois anos. Do contrário, os governos estaduais estarão sujeitos a sanções e perderão os benefícios do acordo.
A decisão de Amin foi comemorada por deputados da oposição ao governo Michel Temer. Isso porque esses parlamentares preveem que conseguirão aprovar emendas para suprimir os incisos das contrapartidas apresentadas. Sem a menção à ata, a supressão desses incisos deixaria, na prática, o texto do projeto restrito à renegociação das dívidas, sem obrigações dos Estados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia