Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 01h09.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Lava JAto

Notícia da edição impressa de 08/08/2016. Alterada em 08/08 às 01h07min

Odebrecht diz que Temer negociou R$ 10 mi ao PMDB

 Brazilian acting President Michel Temer gestures before a press conference with journalists of international press agencies at Planalto Palace in Brasilia on July 29, 2016.  Stubbornly high inflation is one of the challenges facing interim president Michel Temer and new central bank governor Ilan Goldfajn, who are battling to restore confidence in the sputtering economy. / AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE

Brazilian acting President Michel Temer gestures before a press conference with journalists of international press agencies at Planalto Palace in Brasilia on July 29, 2016. Stubbornly high inflation is one of the challenges facing interim president Michel Temer and new central bank governor Ilan Goldfajn, who are battling to restore confidence in the sputtering economy. / AFP PHOTO / ANDRESSA ANHOLETE


ANDRESSA ANHOLETE/AFP/JC
O empresário Marcelo Odebrecht afirmou, em delação premiada à força-tarefa da Operação Lava Jato, que repassou R$ 10 milhões em dinheiro ao PMDB, em 2014, a pedido do presidente interino Michel Temer. A informação é da revista Veja que chegou às bancas no sábado e diz que Odebrecht relata um jantar no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente, em maio de 2014. Durante o encontro, do qual também participou o então deputado Eliseu Padilha (PMDB), hoje ministro-chefe da Casa Civil, Temer teria pedido ao empreiteiro "apoio financeiro" para o PMDB, que presidia à época.
Ainda de acordo com a revista, Odebrecht disse que repassou R$ 10 milhões em dinheiro vivo. Padilha teria recebido R$ 4 milhões e o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, candidato ao governo de São Paulo pelo PMDB, teria recebido outros R$ 6 milhões. Os valores teriam sido contabilizados no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, também conhecido como o "Departamento da Propina" da empreiteira.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia