Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 03 de agosto de 2016. Atualizado às 20h49.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

03/08/2016 - 20h50min. Alterada em 03/08 às 20h50min

'A Castelo de Areia já trazia embrião de fatos revelados na Lava Jato', diz MPF

O procurador Regional da República, Carlos Fernando dos Santos Lima, afirmou que, em 2009, as autoridades brasileiras chegaram próximo do esquema sistematizado de corrupção no governo envolvendo partidos, agentes públicos e as maiores empreiteiras do País. A Operação Castelo de Areia, anulada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), em 2011, reuniu elementos de provas de propinas envolvendo investigadas da Operação Lava Jato - que nesta terça-feira (2), deflagrou sua 33ª fase mirando a última das integrantes VIP do cartel que fatiava obras na Petrobras, a Queiroz Galvão.
"A Castelo de Areia já era e já trazia o embrião de todos os fatos que são revelados na Operação Lava Jato", afirmou Carlos Lima, em entrevista na sede da Polícia Federal, em Curitiba, na terça.
Batizada de Operação Resta Um, a 33ª fase da Lava Jato apontou o envolvimento da Queiroz Galvão em um esquema profissional e sofisticado de corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-presidente da Construtora Queiroz Galvão - braço do setor do grupo - Ildefonso Colares Filho e o ex-diretor Othon Zanóide Moraes foram presos preventivamente. Um terceiro executivo da Quip SA - braço naval da empresa - que está na China teve prisão temporária decretada.
Para o Ministério Público Federal, o envolvimento da Queiroz Galvão "grandes esquemas de corrupção não é inédito". "O histórico de envolvimento do grupo com grandes esquemas de corrupção não é inédito, já figurado nas operações Monte Carlo, Castelo de Areia e Navalha, e tendo sido as duas últimas anuladas nos tribunais superiores", informou em nota da força-tarefa da Lava Jato.
Para Carlos Lima, a Castelo de Areia foi vítima de "um mal que comete a Justiça brasileira". "Ela foi vítima de um mal que comete a Justiça brasileira de destruir um prédio interior por um furo no encanamento. Uma pequena nulidade, gerou a nulidade de toda operação. Infelizmente, ela não foi adiante", afirmou o procurador.
A Lava Jato, segundo o membro mais antigo da equipe de procuradores, em Curitiba, é diferenciada em relação a Castelo de Areia. "Nós esperamos que a Lava Jato seja uma nova mudança, mas, é claro que precisamos, inclusive, mudar as nossas leis."
A diferença seria "o nível de informação e detalhamento de provas" existentes hoje no caso Lava Jato em relação à Castelo de Areia.
Segundo o procurador da República, Diogo Castor de Mattos, a banalização das anulações de provas representa um alento para os criminosos que já tiveram participação em esquemas criminosos provados.
"Infelizmente se essas operações tivessem um mínimo de efetividade, talvez a Lava Jato nem precisasse existir" assinalou.
Nesta terça-feira (2), a Construtora Queiroz Galvão informou, em nota, que "a Polícia Federal realizou uma operação de busca e apreensão em algumas de suas unidades. Alguns ex-executivos e colaboradores foram alvos de medidas cautelares. A empresa está cooperando com as autoridades e franqueando acesso às informações solicitadas".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia