Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de setembro de 2016. Atualizado às 00h14.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Espanha

Notícia da edição impressa de 01/09/2016. Alterada em 31/08 às 20h58min

Parlamento rejeita primeira tentativa de Mariano Rajoy de formar governo

Premiê em exercício Mariano Rajoy teve seis votos a menos que o necessário

Premiê em exercício Mariano Rajoy teve seis votos a menos que o necessário


PIERRE PHILIPPE MARCOU /AFP/JC
Com 180 votos contrários e 170 a favor, o Parlamento da Espanha rejeitou ontem a primeira tentativa do primeiro-ministro em exercício e líder do Partido Popular (PP), Mariano Rajoy, de formar uma coalizão de governo. O premiê teve seis votos a menos do que o necessário para assegurar sua volta definitiva ao cargo, como esperado.
Desde dezembro, a Espanha viveu duas eleições parlamentares sem, no entanto, conseguir formar um governo. Caso Rajoy falhe novamente na segunda tentativa, marcada para amanhã, uma terceira será realizada em 25 de dezembro.
Na segunda votação, o primeiro-ministro em exercício precisará apenas da maioria simples dos votos. Atualmente, ele tem os 137 votos de seu partido e outros 33 parlamentares. Ele necessita, no entanto, que algum outro partido ao menos se abstenha, o que parece improvável a esta altura.
Rajoy fez um apelo à principal sigla de oposição, o PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol), que dê passagem e impeça a realização de uma terceira votação. No entanto, o líder da legenda, Pedro Sánchez, descartou tal possibilidade.
Enquanto não forma um governo, a Espanha segue com um premiê em exercício, com poderes limitados. O país não pode, por exemplo, aprovar o orçamento de 2017 ou apresentar projetos de leis. Investimentos em setores públicos estão paralisados. Apesar disso, a economia prospera, com previsão de crescer 2,9% neste ano. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia