Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de agosto de 2016. Atualizado às 08h32.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Turquia

Dois carros-bomba matam 6 e deixam quase 220 feridos no leste da Turquia

Um dos carros, que foi detonado na cidade de Elazig, matou pelo menos três policiais e feriu 146 pessoas

Um dos carros, que foi detonado na cidade de Elazig, matou pelo menos três policiais e feriu 146 pessoas


KAMILCAN KILIC/AFP/JC
Dois carros-bomba atingiram delegacias de polícia no leste da Turquia, matando seis pessoas e ferindo pelo menos 219, afirmaram autoridades nesta quinta-feira (18).

Um ataque ocorreu na província de Van no fim da quarta-feira e matou um policial e dois civis. Pelo menos 73 outras pessoas - 53 civis e 20 policiais - ficaram feridas, segundo funcionários. Horas depois, outro carro-bomba foi detonado na cidade de Elazig, no início desta quinta-feira, matou pelo menos três policiais e feriu 146 pessoas, afirmou o governador Murat Zorluoglu. Pelo menos 14 pessoas estão em estado grave.

Autoridades já atribuíram o primeiro ataque ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que lançou uma campanha de carros-bomba contra delegacias de polícia ou de ataques com bombas contra viaturas. Na semana passada, Cemil Bayik, comandante do PKK, ameaçou realizar mais ataques contra a polícia em cidades turcas.

A violência entre o PKK e as forças de segurança turcas recomeçou no ano passado, após o colapso de um frágil processo de paz. Desde então, mais de 600 membros das forças de segurança turcas e milhares de militantes do PKK foram mortos, segundo a agência estatal Anadolu. Grupos pelos direitos humanos afirmaram que centenas de civis também morreram nos confrontos.

Dezenas de milhares de pessoas morreram no conflito desde que o PKK tomou armas para lutar pela autonomia do sudeste turco, em 1984. A Turquia e seus aliados consideram o grupo uma organização terrorista. Fonte: Associated Press.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia