Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de agosto de 2016. Atualizado às 01h22.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Turquia

Notícia da edição impressa de 18/08/2016. Alterada em 18/08 às 01h12min

Governo solta 38 mil presos para dar lugar a opositores

Em março, havia 188 mil prisioneiros nas penitenciárias turcas, 8 mil a mais do que a capacidade

Em março, havia 188 mil prisioneiros nas penitenciárias turcas, 8 mil a mais do que a capacidade


ADEM ALTAN
O governo turco anunciou ontem uma reforma penal que resultará na libertação de cerca de 38 mil prisioneiros. A medida é tomada paralelamente às milhares de detenções durante o expurgo do último mês. A reforma, divulgada durante o estado de emergência turco, afetará quem tem até dois anos de sentença a cumprir. O prazo era de um ano. Também será afetado quem já cumpriu metade de sua pena, em vez dos dois terços até então exigidos.
Bekir Bozdag, ministro da Justiça, afirmou não se tratar de perdão nem de anistia, e sim de uma libertação condicional de prisioneiros. Condenados por terrorismo, homicídio e crimes sexuais, entre outros, não serão beneficiados pelas regras. Tampouco estão dentro da reforma penal os crimes cometidos após 1 de julho. Na prática, isso significa que os milhares de presos durante o expurgo recente do governo não serão soltos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia