Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de agosto de 2016. Atualizado às 13h22.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 17/08 às 13h24min

Uso de base aérea pela Rússia não compromete soberania do Irã, diz parlamentar

O presidente do Parlamento do Irã afirmou nesta quarta-feira que o país não comprometeu sua soberania ao permitir que a Rússia conduza ataques aéreos à Síria a partir de seu solo.
Ali Larijani negou que o país tenha concedido à Rússia o direito de utilizar suas bases aéreas. Ele enfatizou, por outro lado, que ambos os países procuram trabalhar em conjunto na Síria. Ambos os governos apoiam o presidente sírio Bashar Assad em sua campanha para debelar a insurreição que se implantou no país desde 2011.
Alaeddin Boroujerdi, presidente do comitê de segurança nacional e política exterior, afirmou que a base aérea próxima a Hamedan, onde a Rússia tem decolado seus aviões em direção a Síria, não se tornou uma base Rússia. As aeronaves não ficariam ali permanentemente e só eram permitidas a reabastecer ali, acrescentou.
Embora ainda não haja sinais de descontentamento público com a permissão, o tom defensivo de dois políticos importantes dá sinais de cautela sobre como esse gesto em relação aos russos pode ser percebido dentro de casa.
A desconfiança sobre a influência externa data de há muito na história do país. Em 1907, um acordo entre a Rússia e o Reino Unido dividiu o que era então a Pérsia em regiões de influência estrangeira.
Em 1953, agências secretas do Reino Unido e dos Estados Unidos orquestraram um golpe contra o então primeiro-ministro Mohammed Mossadegh, consolidando o poder do chá Shah Mohammed Reza Pahlavi, Que tinha postura pró-Ocidente. A Revolução Islâmica de 1979 derrubou o chá
Nos últimos anos, por outro lado, Teerã e Moscou têm se aproximado em questões como o acordo nuclear e vendas de equipamentos militares. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia