Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 14 de agosto de 2016. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Cuba

13/08/2016 - 17h11min. Alterada em 13/08 às 19h08min

Fidel Castro celebra 90 anos criticando Barack Obama

Em artigo publicado no jornal Granma na passagem de seus 90 anos, Fidel fez críticas a Obama

Em artigo publicado no jornal Granma na passagem de seus 90 anos, Fidel fez críticas a Obama


YAMIL LAGE/AFP/JC
Agência Brasil
Celebrações por todo o país comemoram neste sábado (13) o aniversário de 90 anos do ex-presidente de Cuba Fidel Castro, líder da revolução que instaurou o regime comunista na ilha caribenha.
Até o momento, Fidel já recebeu os parabéns dos chefes de Estado da Rússia, Vladimir Putin; da Bolívia, Evo Morales; e da Coreia do Norte, Kim Jong-un. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, está em Havana para as festividades.
Nascido em 13 de agosto de 1926, em Birán, povoado situado no leste de Cuba, Fidel não aparece em público no dia de seu aniversário há anos. Na sua cidade natal, uma mostra fotográfica exibe a trajetória do líder da Revolução Cubana.
Já na capital, foram instalados murais pintados por 16 artistas em homenagem ao ex-presidente. Também estão previstos diversos debates, encontros e exposições. "Na Rússia, você é altamente respeitado como uma figura política extraordinária, que dedicou a vida ao povo cubano", escreveu Vladimir Putin.
Em um artigo publicado no dia de seus 90 anos, Fidel deixou um pouco de lado as comemorações e criticou o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por não ter pedido desculpas pelas bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki durante sua recente visita ao Japão.
"É necessário martelar a necessidade de preservar a paz e que nenhuma potência se sinta no direito de assassinar milhões de seres humanos", acrescentou, se referindo a Washington. No entanto, ele também agradeceu pelas mensagens enviadas por ocasião de seu aniversário.
"Elas me dão forças para retribuir por meio das ideias que transmitirei aos militantes do nosso partido", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Almir Sampaio 14/08/2016 14h31min
Esse Ditador já morreu há muito tempo. O Regime comunista o mantém embalsamado porque sabe que quando o Povo tiver noção disso a Ditadura vai cair !