Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 27 de agosto de 2016. Atualizado às 13h32.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

segurança pública

26/08/2016 - 13h41min. Alterada em 26/08 às 13h43min

Força Nacional ajudará a combater onda de violência no Rio Grande do Sul

Sartori reuniu-se com o presidente interino para solicitar apoio na área de Segurança Pública

Sartori reuniu-se com o presidente interino para solicitar apoio na área de Segurança Pública


Marcos Corrêa/PR/Divulgação/JC
A pedido do governador José Ivo Sartori, o presidente interino Michel Temer enviará 150 integrantes da Força Nacional a Porto Alegre para ajudar as autoridades locais a combater a onda de violência que, nas últimas semanas, tem ocorrido na região metropolitana da Capital. O efetivo que será direcionado para o Estado estava atuando na Olimpíada. Serão enviadas ainda cerca de 30 viaturas. "Não discutimos o tempo [que eles ficarão] porque consideramos que será o tempo necessário", disse Sartori, ao negar que o governo do estado tenha demorado a pedir esse reforço.
Sartori viajou a Brasília para solicitar a presença da Força Nacional para a guarda externa de presídios com o objetivo de liberar brigadianos para o policiamento ostensivo. Na reunião que teve com Temer, no final da manhã desta sexta-feira, o governador solicitou também recursos para investimento em armamentos, viaturas, coletes balísticos e equipamentos de monitoramento para estancar a criminalidade. Sartori pediu também a construção de um penitenciária federal no Estado, para aliviar o problema de superlotação dos presídios e delegacias estaduais.
Nos últimos dias, uma médica foi assassinada na Capital, um triplo homicídio ocorreu em Alvorada e um homem foi executado no Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs). No final da tarde de ontem, uma mulher aguardava o filho do lado de fora da escola quando foi vítima de latrocínio. Diante dessa situação, o secretário da Segurança Pública do Rio Grande do Sul, Wantuir Jacini, acabou por pedir ontem (25) sua exoneração do cargo, e um gabinete de crise foi criado para lidar com a situação. Ele será coordenado pelo vice-governador, José Paulo Cairoli. Com informações da Agência Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
jorge Almada 26/08/2016 18h31min
Os números de homicídios disparam no RS, já é alarmante no Norte-Nordeste. Vivemos em GUERRA, o pior disto é que a SOCIEDADE fica passiva diante desta realidade , refugiamos em casa e rezamos a Deus para nos protegermos e não fazemos nada para mudar os cenários diários DAS PERDAS DE VIDA. ACOVARDAMOS E NÃO VAMOS PARA AS RUAS MANIFESTAR POR MUDANÇAS, PROTESTAR, E COBRAR DAS AUTORIDADES, POLÍTICOS, JURISTAS, GOVERNOS E ações para mudar estes cenários.nSe nada for feita o números de homicídios dobraram em breve , hoje temos 57.000 homicídios por ANO no Brasil, faz necessário mudar a legislação e punir com pena de morte os crimes violentos e por motivos fúteis, temos que inibir esta gigantesca matança. PRESERVAÇÃO DA VIDA ! JÁ
Artur Cremonini 26/08/2016 17h50min
Tudo demagogia . As leis vo continuar as mesmas, ou seja brandas para esses assassinos?O cidadão vai poder portar sua arma para defesa pessoal e da família?Os policiais sero melhor remunerados e treinados? Qualquer uma dessas perguntas sem resposta, na minna opinio, so políticas demagogicas e oportunistas