Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de agosto de 2016. Atualizado às 17h35.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

24/08/2016 - 17h31min. Alterada em 24/08 às 17h37min

Homem é morto e outra pessoa baleada em frente a hospital de Porto Alegre

O ataque ocorreu a poucos metros da entrada do Hospital São Lucas da Pucrs, zona leste da Capital

O ataque ocorreu a poucos metros da entrada do Hospital São Lucas da Pucrs, zona leste da Capital


Gilson Oliveira/Palácio Piratini/Divulgação/JC
Um  homem foi morto na tarde desta quarta-feira (24) a poucos metros da entrada do Hospital São Lucas da Pucrs, zona leste de Porto Alegre. Outra pessoa acabou também atingida por um dos disparos e foi socorrida na emergência do hospital. A situação gerou tensão no local, mas o atendimento não foi suspenso.
O hospital informou que a vítima baleada foi atendida e não corre risco de morte. A vítima fatal foi alvejada por disparos feitos por homens que estavam em um carro.
O novo caso elevou para oito os registros de violência em áreas onde ficam unidades de saúde na Capital em 2016, segundo levantamento do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers). Em 215, foram 33 no Estado, sendo 22 na Capital. 
Nessa terça-feira (23), a situação gerou encontro entre o Simers e o secretário estadual da Segurança Pública (SSP), Wantuir Jacini, que definiu pela criação de uma câmara temática para cuidar das questões de segurança na área. O grupo terá integrantes do SIMERS, outras entidades médicas e órgãos de segurança.
O presidente do Sindicato, Paulo de Argollo Mendes, cobrou nesta quartam, diante do novo episódio, urgência nas medidas. As principais reivindicações do Simers são integração do videomonitoramento existente em diversos órgãos, instalação de botões de pânico, policiamento em cada unidade, aumento do efetivo da Guarda Municipal e até detectores de metais nos acessos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia