Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 17h46.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança

Notícia da edição impressa de 12/08/2016. Alterada em 11/08 às 22h40min

Governo do Estado vai duplicar efetivo em áreas críticas

Área de atuação concentra quase 80% do total de ocorrências

Área de atuação concentra quase 80% do total de ocorrências


RODRIGO ZIEBEL/DIVULGAÇÃO/JC
Igor Natusch
O governo gaúcho lançou na quinta-feira a terceira fase da Operação Avante, que deve incrementar o policiamento entre Porto Alegre e Novo Hamburgo. O efetivo da operação será duplicado, passando de 200 para 407 policiais. O foco de atuação será combater o roubo de veículos e coletivos, além de prevenção a latrocínios e ataques contra estabelecimentos comerciais.
A área de atuação definida para a operação concentra quase 80% do total de ocorrências. Cerca de 100 policiais serão deslocados do interior do Estado para reforçar o quadro em pontos críticos, com o restante do efetivo sendo remanejado a partir da Capital.
De acordo com o subcomandante da Brigada Militar, coronel Andreis Silvio Dal'Lago, um dos principais objetivos do plano é aproximar a BM da comunidade, ampliando a eficiência das ações policiais. "Estamos combatendo delitos de maior impacto social, e o grau de efetividade da operação estimulou a ampliação dos esforços nessas áreas mais críticas", diz.
O aumento do policiamento se torna possível a partir do Plano Estratégico de Segurança Pública, anunciado pelo governo do Estado no final de junho, que prevê aporte financeiro de R$ 2 milhões mensais para o projeto. A Operação Avante prevê também o aporte de horas extras para as cidades do Interior, compensando a diminuição de efetivo nesses locais.
As ações da Avante se baseiam na metodologia de gestão por resultados, análise criminal e inteligência policial. O governo pretende ampliar a tecnologia disponível para os agentes, além de oferecer helicópteros como apoio operacional. Informações como o dia da semana, locais e horários de maior incidência são utilizadas para intensificar a ação em áreas-chave, em uma estratégia que vem sendo empregada desde janeiro deste ano. De acordo com o comando da BM, cerca de 1.500 prisões foram efetuadas nesse período, bem como a apreensão de 500kg de droga na região abrangida pela operação.
A terceira fase da Operação Avante deve se estender até dezembro. A partir daí, será feita uma avaliação da eventual necessidade de novas etapas. Uma possível ampliação do plano envolve o Litoral Norte e o Centro Sul, áreas onde foi constatado aumento de criminalidade desde o começo do ano. "Há uma migração de atividade criminosa para essas áreas, como um efeito de nossa atividade no eixo metropolitano. Nosso plano é incentivar Avantes nessas regiões também", garante o coronel.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
João Vítor 12/08/2016 17h45min
Interessante saber que foram efetuadas 1500 prisões nesse período, mas quantos desses ficaram efetivamente presos? Esse seria um dado interessante, dado o fato que muitas vezes o policial fica mais tempo na delegacia preenchendo papelada do que o meliante.