Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 00h13.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Habitação

Notícia da edição impressa de 12/08/2016. Alterada em 11/08 às 22h11min

BM retira manifestantes de prédio do Demhab

Desocupação ocorreu sem incidentes, segundo a BM

Desocupação ocorreu sem incidentes, segundo a BM


JONATHAN HECKLER/JC
Igor Natusch
A Brigada Militar (BM) promoveu, na tarde desta quinta-feira, a desocupação do prédio do Departamento Municipal de Habitação (Demhab) de Porto Alegre, que estava há quase um mês tomado por integrantes de ocupações urbanas e movimentos sociais da Capital. A reintegração de posse estava determinada pela Justiça desde o começo de agosto. De acordo com o major Sérgio Rocha, do 1º Batalhão de Polícia Militar (BPM), a ação foi tranquila e não há registro de incidentes.
Integrantes do 1º BPM, do Batalhão de Operações Especiais (BOE) e do Corpo de Bombeiros participaram da reintegração. Segundo a BM, 22 pessoas estavam no local no momento da ação, sendo duas delas crianças.
O prédio do Demhab estava ocupado desde a metade de julho por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), do Movimento Nacional da População de Rua (MNPR) e do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB). Também se instalaram no prédio membros de ocupações como a Lanceiros Negros, no Centro, e a Campo Grande, no bairro Rubem Berta.
Os manifestantes criticam a política habitacional da prefeitura e pressionam o poder público para que encaminhe uma série de exigências. Entre elas, estão a melhoria das condições de vida de cerca de 300 famílias que querem permanecer morando na Vila Dique, na zona Norte, e transformar o imóvel da Ocupação Lanceiros Negros em uma casa de acolhimento provisório. Outra proposta é destinar parte das moradias do Minha Casa Minha Vida a pessoas em situação de rua. A estimativa é de que cerca de 350 mil pessoas estejam vivendo em ocupações ou moradias irregulares em Porto Alegre.
Os representantes das ocupações também criticam a postura da prefeitura de não ter aberto diálogo com o movimento, que se instalou no saguão do edifício do Demhab. Após o recolhimento de seus pertences, os ativistas permaneceram no entorno, gritando palavras de ordem e prometendo manter as mobilizações.
As atividades no Demhab devem ser retomadas a partir de segunda-feira. De acordo com a prefeitura, um mutirão está sendo planejado para regularizar as atividades no órgão, que foram quase totalmente paralisadas desde o começo da ocupação. As principais pendências estão no cadastramento para o Programa Minha Casa Minha Vida e no processo de pagamento de aluguel social.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia