Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de agosto de 2016. Atualizado às 01h32.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saneamento

10/08/2016 - 18h44min. Alterada em 11/08 às 01h33min

Fepam suspende operação de empresa suspeita de alterar água de Porto Alegre

Instalações com tanques da Cettraliq na zona norte de Porto Alegre

Instalações com tanques da Cettraliq na zona norte de Porto Alegre


Cettraliq/Divulgação/JC
Igor Natusch
A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) suspendeu ontem, por tempo indeterminado, as atividades da empresa Cettraliq, responsável pelo tratamento de efluentes líquidos da atividade industrial. A participação da empresa nas alterações do gosto e do cheiro da água distribuída pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) aos moradores da Capital vinha sendo investigada pelo órgão há algum tempo.
A Cettraliq era responsável pelo tratamento de água contaminada proveniente de cerca de 1.500 pequenas e médias empresas da Capital e Região Metropolitana. De acordo com a Fepam, a medida ocorre depois de a empresa deixar de cumprir medidas exigidas pelo órgão para diminuir o forte odor na região onde está localizada, no bairro Navegantes.
Entre elas, estavam o enclausuramento dos tanques, o monitoramento da chegada de compostos orgânicos voláteis (que dão odor ruim à água) e a instalação de uma tubulação própria para lançamento das águas tratadas no Guaíba. Até o momento da suspensão, a Cettraliq fazia uso de encanamento do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP), que agora fará a limpeza de toda a rede para evitar a permanência de resíduos.
A secretária do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável do Rio Grande do Sul, Ana Pellini, afirma que a Cettraliq não pode, sozinha, ser responsabilizada pelos problemas verificados na água da Capital, mas que há indícios de que estivesse contribuindo para o quadro negativo. Ela frisou também que o crescimento do bairro fez com que a atual localização da empresa seja inadequada para as atividades que exerce.
"É muito inadequado termos uma central de tratamento de resíduos dentro de um bairro residencial, ao lado de um shopping, com resíduos sendo despejados na rede local. O ambiente do entorno mudou muito. É preciso pensar nas pessoas que lá residem", disse Ana. A empresa foi autuada repetidas vezes pela Fepam, a mais recente delas em 2013.
A Cettraliq tem 10 dias para apresentar relatório que comprove o atendimento das exigências, ou para elaborar cronograma para encerramento definitivo das atividades. Enquanto a situação não se define, as empresas conveniadas à Cettralic precisarão buscar alternativas, armazenando a água contaminada ou enviando o material para tratamento em Santa Catarina.
Em nota, a empresa diz ter recebido com surpresa a decisão da Fepam e afirma que apresentará defesa contra a decisão. Segundo a Cettraliq, foram realizadas 21 vistorias em cerca de dois meses, e as amostras coletadas não apresentaram nenhum parâmetro fora dos padrões. "A Cettraliq torna pública sua contribuição, de todas as formas possíveis, na busca para identificar as prováveis causas do gosto e sabor da água de abastecimento", diz o texto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia