Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de agosto de 2016. Atualizado às 13h08.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saneamento

Notícia da edição impressa de 10/08/2016. Alterada em 10/08 às 10h44min

Fepam ainda não identificou motivo de alterações na água

As primeiras reclamações foram registradas em maio

As primeiras reclamações foram registradas em maio


mauro schaefer/arquivo/jc
Suzy Scarton
Porto Alegre ainda está longe de elucidar o mistério a respeito das alterações no gosto e no cheiro da água que circula pelas redes do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae). Segundo a diretora-presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) e secretária estadual do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Sema), Ana Pellini, ainda não há novidades na investigação do caso. As primeiras reclamações foram registradas em maio por moradores de diversos pontos da Capital.
Atualmente, os técnicos da Fepam investigam uma possível contribuição da Cettraliq, no bairro Navegantes, uma empresa que trata efluentes líquidos da atividade industrial. "Embora ela, sozinha, não tenha potência para causar essa alteração toda, pode estar relacionado", confirmou a secretária, que conta estar visitando a empresa semanalmente. "O efluente não tem cheiro nem alterações, mas, quando sai dali, começa a pegar cheiro. Então, deve ter algum elo, mesmo que tênue", comenta Ana.
Um dos motivos que dificultam a resolução do problema é a falta de monitoramento da água. "Implementamos agora, com recursos da Agência Nacional de Águas (ANA). Todas as segundas-feiras, a vazão e a qualidade da água serão medidas em diversos pontos da cidade", relata.
Segundo a secretária, a medida não estava ativada na Capital devido a problemas orçamentários. Com o convênio, que durará dois anos, os reagentes e os aparelhos para medir a vazão serão disponibilizados pela agência. Já nas duas primeiras semanas de monitoramento, os dados indicaram "grande influência de esgoto sanitário nos pontos monitorados".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Antonio Carlos Paz 10/08/2016 10h09min
O mesmo cheiro ardido de mofo sentido nas proximidades da Ponte do Guaiba com a antiga Castelo Branco chegou em Cachoeirinha. Hoje pela manhã o ar na cidade estava fétido. Se nada for feito pelas autoridades, a contaminação do ar ficará fora de controle.