Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 03 de setembro de 2016. Atualizado às 13h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Novo Governo

28/08/2016 - 20h16min. Alterada em 29/08 às 16h48min

Governo enviará em setembro reformas da Previdência e Trabalhista ao Congresso

Padilha disse que as reformas terão o "acordado sobre o legislado" e aumento da idade para se aposentar

Padilha disse que as reformas terão o "acordado sobre o legislado" e aumento da idade para se aposentar


CLAITON DORNELLES/JC
Patrícia Comunello
O ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha, afirmou que o governo quer enviar em setembro as reformas da Previdência e Trabalhista ao Congresso Nacional.
Segundo o ministro, o governo vai aguardar o fim do julgamento do impeachment sobre o afastamento definitivo de Dilma Rousseff. Os governistas apostam na vitória, ou seja, na votação que sacramentará a saída. 
"Vamos mandar a (reforma) Trabalhista mais ou menos no mesmo tempo que a da Previdência, e deve ser antes das eleições (municipais)", projetou Padilha. O primeiro turno da eleição será em 2 de outubro. "Não tem mais que ter medo", afirmou, com contundência sobre a urgência das reformas, logo após participar da abertura da 39ª Expointer, em Esteio, no sábado.
A reforma trabalhista terá dois itens cruciais, segundo o principal nome do governo interino de Michel Temer. O "acordado sobre o legislado" e a terceirização, que Padilha chamou de especialização, adotando o termo sugerido por Ronaldo Nogueira, da pasta do Trabalho e outro ministro gaúcho no governo. "Ela será preservadora dos empregos que existem e geradora de novos postos", sustentou, como premissa.
"Vamos ter, sim, o acordado, os acordos coletivos vão se sobrepor ao legislado, inclusive com a submissão, porque a lei é assim, do próprio Poder Judiciário. Nas democracias, o regime é ditado, no que diz respeito à vontade da cidadania, ao Legislativo, mas vamos ter de fazer algumas intervenções. Temos de dar segurança a quem quer empreender e fazer investimentos." A preocupação provocou aplausos. 
Padilha diz ainda que o governo vai encaminhar a "especialização". Segundo o ministro, o termo "traduz melhor o sentimento". "Tem empresa que se especializa em algumas coisas e faz mais barato do que uma linha que tenha muita gente fazendo muita coisa ao mesmo tempo", ilustrou.  
Na Previdência Social, o ministro confirmou que Temer pediu um modelo com transição mais longa para mulheres e professores serem afetados. "O presidente pediu para dar atenção especial a mulheres e professores, mas no futuro eles serão equiparados. A transição deve ser de 15 anos para os dois grupos."
O ministro citou o déficit previdenciário como um dos dois grandes icebergs na rota do governo federal. O outro é o da dívida pública. Segundo ele, o modelo previdenciário em vigor foi concebido quando as famílias tinham cinco filhos, e hoje a média "caiu para 1,7 podendo chegar a 1,4 filho". A expectativa, segundo o interlocutor de Temer, era de 56 anos, e hoje é de 78 anos, caminhando aos 80 anos e 90 anos.
"Vamos sim fazer a reforma. Vamos ter sim a idade mínima, que será a mesma fixada por Vargas (ex-presidente Getulio Vargas) em 1934, que era de 65 anos, quando se criou o sistema.    
O ministro ainda admitiu que a sociedade não pode carregar peso maior como aumento de impostos. Ao fazer a afirmação, a plateia aplaudiu. "Neste momento, pensar em aumentar impostos, não terá aumento da arrecadação, mas queda. O Estado tem de cortar para dentro e tem de fazer as reformas."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
George Miguel 03/09/2016 08h54min
Quem foi nas ruas protestar contra a Dilma nCom 45 anos faltando e uns 30 anos de contribicao, com essa reforma com certeza deve estar pensando. Meus Deus eu era feliz e não sabia.
Onildo Melo Lima 30/08/2016 01h27min
Quantas aposentadoria este senhor tem? Devem ser várias. O PMDB e os partidos aliados, aprovando a escravização do trabalhador, ficarão marcados e a resposta será dada nas urnas. Já sinto saudades do PT.
José Dias 29/08/2016 19h48min
Quero ver quem vai dar emprego para o trabalhador qdo chegar na faixa dos 50 anos.nA idade de 65 anos também serve para os políticos?nPra tirar a Dilma povo foi pra ruas, mas para quando é pro seu prorio benefício fica calado.nNa minha opinião quem estava por traz do impeachment da Dilma era o empresariado e agora eles ficam quietinhos. nPovo é igual prego, só toma na cabeça. n