Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 28 de agosto de 2016. Atualizado às 22h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Inovação

Notícia da edição impressa de 29/08/2016. Alterada em 28/08 às 18h46min

App aumenta interação de participantes em eventos

Ferramenta pode ser customizada e custa a partir de R$ 2 mil

Ferramenta pode ser customizada e custa a partir de R$ 2 mil


EVENTMOBI/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Pessoas com um olho no palco e outro na tela do celular já são uma cena comum em eventos. Pode ser uma palestra, conferência ou até mesmo um reunião de planejamento da empresa.
De olho nessa tendência do comportamento humano, a canadense EventMobi decidiu usar a tecnologia para potencializar essa experiência. Criou um aplicativo que disponibiliza informação e ferramentas de interatividade, como agenda, programação do que está acontecendo naquele momento e informações dos palestrantes.
A solução também oferece chats individuais ou em grupos para que os participantes possam se conhecer e debater os assuntos de interesse comum que estejam sendo apresentados. "Muitas pessoas comentam que a tecnologia as afasta do convívio social, mas o interessante é que a nossa solução só faz sentido quando elas estão juntas. Foi desenhada para ser usada em eventos em que os participantes estão compartilhando a mesma experiência", observa o gerente-geral América Latina da EventMobi, Vander Guerrero.
O aplicativo foi criado em uma plataforma Software como serviço (SaaS) e vem sendo desenvolvido desde 2009. Inicialmente, a ideia era apenas digitalizar os papéis entregues em eventos, como agenda, programação de cada patrocinador e catálogos. "Vimos uma oportunidade de tornar esses conteúdos melhor aproveitados, já que esses materiais costumam ser distribuídos para as pessoas dentro de uma sacolinha e, muitas vezes, elas nem os levam para casa", cita o gestor.
Rapidamente, porém, essa ideia evoluiu para uma solução mais robusta. Hoje em dia, o objetivo é gerar envolvimento e promover ações concretas com a audiência. Para isso, a empresa foi incorporando funcionalidades no app. Uma delas são as tecnologias de gamification, que permitem que a criação de desafios divertidos e, assim, experiência mais lúdicas para eventos corporativos, como, por exemplo, a apresentação de uma nova tecnologia.
A ferramenta é usada pelos organizadores do evento, que podem fazer as configurações da forma que acharem melhor. Também é possível compartilhar documentos em tempo real entre os envolvidos. Eles podem ainda usar as informações coletadas por pesquisas de opinião realizadas em tempo real para fazer pequenas correções de rota.
Assim, se as pessoas estiverem indicando que as salas estão muito geladas em função do ar-condicionado ou que o som está ruim, por exemplo, eles conseguem identificar pelo app e resolver. A plataforma de automação de eventos já foi usada para a realização de mais de 9 mil projetos em 72 países.
Guerrero relata que os concorrentes tradicionais da EventMobi são as empresas que produzem esses materiais entregues em papel e as que fazem o desenvolvimento customizado desses aplicativos. Nesse último caso, é algo feito sob demanda por alguma software house, leva meses para ficar pronto e custa a partir de R$ 30 mil. "A nossa ferramenta é pré-configurada, pode ser customizada em apenas alguns dias, custa a partir de R$ 2 mil para a organização de grandes eventos e é fácil de usar", relata Guerrero, destacando os diferenciais do aplicativo. Ele é brasileiro, se mudou para o Canadá há cerca de um ano, onde conheceu o fundador da EventMobi.
Algum tempo depois, se tornou o responsável pela operação na América Latina. "Já tínhamos vários projetos no Brasil, mas, neste ano, comecei a criar abordagem mais próxima com o mercado local, com equipe específica e sites em português e espanhol", conta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia