Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de agosto de 2016. Atualizado às 09h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 25/08 às 09h15min

Confiança dos empresários do comércio gaúcho avança 11,4% em agosto

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) apresentou alta de 11,4% no mês de agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado, fechando com crescimento de 2,6% sobre o mês de julho. Com o resultado, o índice alcançou 89,9 pontos. Apesar da melhora, a pesquisa indica que o empresário do comércio gaúcho permanece pessimista. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pela Fecomércio-RS.
Na comparação com agosto de 2015, tanto a percepção sobre o momento atual quanto as expectativas contribuíram para a expansão do indicador. 
O ICAEC, que mede as condições atuais, registrou elevação de 15,9% na comparação com agosto de 2015 e de 10,2% sobre julho passado, ficando em 50,5 pontos. “O resultado de agosto foi o primeiro aumento interanual do indicador desde agosto de 2014”, destacou o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, em nota.
As expectativas dos empresários do comércio (IEEC) seguiram a tendência de alta observada há alguns meses, puxada mais uma vez pela estabilização no campo político. Aos 133,6 pontos, o indicador cresceu 16,3% sobre agosto do ano passado e 1,4% na comparação com julho de 2016.
O índice que mede os investimentos (IIEC) apresentou variação positiva de 2,5% na comparação com agosto de 2015 e de 0,4% sobre julho passado, alcançando 85,8 pontos. Apesar da melhora sinalizada em agosto, o indicador que mede a intenção de contratação de pessoal continua apontando para uma redução da força de trabalho no futuro próximo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia