Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de agosto de 2016. Atualizado às 14h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Alterada em 23/08 às 15h01min

Leilão de transmissão marcado para 2 de setembro será adiado, diz Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse nesta terça-feira (23) que o leilão de transmissão marcado para o dia 2 de setembro será adiado. Segundo ele, a nova data da licitação ainda não foi marcada, mas deve ser definida nos próximos dias. "A data do leilão não era muito feliz, coincide com o processo de votação no Senado (do impeachment) e tem todo um ambiente político e institucional que poderia contaminar o resultado", afirmou.
Segundo Rufino, a decisão foi tomada em conjunto pela agência e pelo Ministério de Minas e Energia. O diretor-geral garantiu que há interesse dos investidores no setor e afirmou que alguns pediram mais tempo para analisar cada lote. "Temos recebido muitos investidores interessados e talvez, com uma nova data, possamos ter mais competição e condição de vender todos os lotes. Nosso interesse é viabilizar o máximo de participação", disse.
Rufino ressaltou que a análise dos investimentos em transmissão envolve também questões fundiárias e ambientais. "Não é uma coisa simples, é uma avaliação que deve ser pormenorizada", afirmou. Segundo ele, o interesse dos investidores no mercado de transmissão tem crescido recentemente. "Mais agentes interessados certamente reflete uma melhoria no ambiente de negócios."
Para Rufino, o adiamento do leilão de transmissão é diferente do caso da licitação da distribuidora Celg, cancelada por falta de interessados na semana passada. "São situações bem distintas. O mercado colocou que o preço mínimo era um parâmetro relevante e não estava bem calibrado", afirmou ele em referência à distribuidora goiana. De acordo com o diretor-geral, as recentes movimentações no setor mostram que o segmento de distribuição também é atrativo para os investidores.
Rufino disse que ainda não foi decidido se a receita teto dos empreendimentos será modificada, nem se alguns lotes serão retirados da licitação. Se a remuneração dos investidores for alterada, o leilão levará mais tempo para ser remarcado. Em relação aos lotes, a agência e o Ministério de Minas e Energia vão avaliar quais são essenciais e devem ser mantidos, em razão da necessidade de escoamento de energia.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia