Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de agosto de 2016. Atualizado às 11h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Alterada em 23/08 às 11h06min

Receita das exportações gaúchas recua 5,1% em julho

A soja ajudou a amenizar maior queda, respondendo por 41,1% de tudo o que foi vendido

A soja ajudou a amenizar maior queda, respondendo por 41,1% de tudo o que foi vendido


PORTO DE RIO GRANDE/DIVULGAÇÃO/JC
As exportações do Rio Grande do Sul recuaram 5,1% em julho. A receita fechou em US$ 1,734 bilhão, US$ 92,1 milhões a menos que julho de 2015. Houve queda de volume (-4,4%) e de preços médios dos produtos exportados (-0,7%).
Os dados divulgados nesta terça-feira (23) pela Fundação de Economia e Estatística (FEE) mostram quebra da tendência verificada até junho. Tomás Torezani, pesquisador em Economia do Núcleo de Dados e Estudos Conjunturais da FEE, citou que em maio e junho houve elevação de preços e volumes das vendas. Em julho a situação retoma o quadro de abril.
Torezani afirma que a intensa retração dos preços dos bens, que vem desde meados de 2014, começa a mostrar sinais de desaceleração. "Ainda assim, foi a menor receita em dólar para um mês de julho desde 2010”, explica o pesquisador.
O Rio Grande do Sul, mesmo com a queda, ganhou participação nas exportações nacionais, saindo de 9,9% para 10,6%. Pesou literalmente para isso as exportações de duas plataformas para extração de petróleo pelo Rio de Janeiro (estado que ultrapassou o Estado em 2016) e o fato de outros estados terem apresentado retrações ainda maiores que a exibida pelo Estado, diz Torezani.
O desempenho decorre da retração das exportações dos produtos manufaturados (-20,5% em valor e -7% em volume). Já nos produtos básicos e nos semimanufaturados houve crescimento de US$ 36,1 milhões (+3,4% em valor e -4,1% em volume) e de US$ 9,2 milhões das vendas (+7,7% em valor e +24,5% em volume), respectivamente.
Nos itens básicos, houve a elevação de 7,8% dos seus preços de exportação em relação a julho de 2015. Desconsiderando o crescimento do mês passado (de 0,8%), o último aumento verificado nos preços tinha sido em agosto de 2014, de 2,3%.
“A soja em grão, principal produto dessa categoria, teve uma contribuição decisiva para o resultado e para a queda das receitas do Estado não ter sido maior. O crescimento de 11,9% do preço do grão no mês, mesmo com um recuo de 1,5% no volume embarcado, contribuiu para o crescimento de US$ 65,9 milhões (10,2%) das receitas, atingindo o maior valor exportado para um mês de julho na história (US$ 712,9 milhões)”, indica Torezani.
A oleaginosa representou 41,1% de tudo o que foi vendido pelo Rio Grande do Sul em julho.
A China foi o grande destino das vendas externas gaúchas em julho, alcançando 42,1% de tudo o que foi exportado. Apenas a soja em grão representou 90,1% (US$ 660,4 milhões) das compras de produtos gaúchos pelo gigante asiático. Na sequência aparecem Estados Unidos (7,2%), Argentina (5,1%), Bélgica (2,9%) e Espanha (2%).
No acumulado de janeiro a julho, as exportações do Rio Grande do Sul somam US$ 9,433 bilhões, com queda de US$ 442,1 milhões em receita ante o mesmo período de 2015 (-4,5% em valor, 6,1% em volume e -10% em preço). 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia