Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de agosto de 2016. Atualizado às 08h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Petróleo amplia perdas, pressionado por dúvidas sobre congelamento de produção

Os futuros de petróleo operam em baixa na manhã desta terça-feira (23), ampliando as perdas de mais de 3% de ontem que vieram após um rali que se estendeu por sete sessões consecutivas em Nova Iorque, em meio a dúvidas sobre um eventual acordo para limitar a produção da commodity.

Segundo Olivier Jakob, analista da suíça Petromatrix, a dinâmica dos mercados tem sido dominada por operações em que os investidores vendem contratos de petróleo e os recompra posteriormente a preços menores.

Alguns observadores também descartam a possibilidade de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e produtores de fora do grupo chegarem a um consenso para congelar a produção. No começo do mês, a Opep anunciou que irá discutir o assunto informalmente no fim de setembro, durante uma conferência de energia na Argélia.

No entanto, há quem aponte que a Opep não quer ver uma repetição do que aconteceu no primeiro bimestre do ano, quando o petróleo tombou para o nível de US$ 30 por barril, e estaria disposto a agir se o a commodity voltar a romper a barreira dos US$ 40.

Iraque e Nigéria, que são integrantes da Opep, pretendem ampliar as exportações de petróleo, enquanto outros países, como a Venezuela, apoiam um eventual congelamento da produção.

Em julho, o Iraque exportou 3,71 milhões de barris por dia (bpd) e produziu cerca de 4,33 milhões de bpd, o que representou um forte aumento de 80 mil bpd ante o mês anterior, de acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE).

Os investidores vão acompanhar agora as pesquisas semanais do American Petroleum Institute (API) e do Departamento de Energia (DoE) norte-americano sobre os estoques de petróleo dos EUA, que serão divulgadas no fim da tarde desta terça-feira e amanhã, respectivamente. Os levantamentos mais recentes mostraram queda no volume estocado de petróleo bruto nos EUA.

Às 7h27min (de Brasília), o petróleo WTI para entrega em outubro caía 1,18% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 46,86 por barril, enquanto o Brent para o mesmo mês recuava 1,18%, a US$ 48,58 por barril, na IntercontinentalExchange (ICE).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia