Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de agosto de 2016. Atualizado às 08h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Cobre opera em alta, impulsionado por fraqueza do dólar após Fed

Os futuros de cobre operam em alta na manhã desta quinta-feira (18), sustentados pela fraqueza do dólar ante várias outras moedas após o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) sugerir que será cauteloso em relação a futuros aumentos de juros.

Por volta das 7h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) avançava 1,35%, a US$ 4.838,50 por tonelada. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre com entrega para setembro tinha alta de 1,65%, a US$ 2,1875 por libra-peso, às 7h50min (de Brasília).

Na ata de sua última reunião de política monetária, o Fed revelou ontem que vários de seus dirigentes querem ver mais indicadores dos EUA antes de considerar a possibilidade de uma nova elevação de juros.

O chamado índice WSJ do dólar se enfraquece nos negócios da manhã, tornando o cobre mais atraente para detentores de outras moedas.

Entre outros metais básicos na LME, o viés também era positivo: o alumínio subia 0,8%, a US$ 1.708,00 por tonelada, enquanto o zinco avançava 1,34%, a US$ 2.304,50 por tonelada, o chumbo aumentava 0,8%, a US$ 1.901,00 por tonelada, o níquel tinha alta de 1,3%, a US$ 10.370,00 por tonelada, e o pouco negociado estanho se mantinha estável, a US$ 18.345,00 por tonelada.

Para Robin Bhar, analista do Société Générale, os metais poderão ganhar novo suporte após a ata do Banco Central Europeu (BCE), que será divulgada logo mais, às 8h30min (de Brasília), e poderá reforçar o cenário de juros baixos por tempo prolongado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia