Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de agosto de 2016. Atualizado às 17h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 17/08 às 17h57min

Petróleo fecha em alta após DoE apontar queda nos estoques semanais da commodity

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta quarta-feira (17) após o Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE, na sigla em inglês) apontar queda expressiva nos estoques semanais da commodity. O recuo é visto pelos investidores como um alívio do excesso de oferta e ajuda a puxar o petróleo para cima.
O WTI para setembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 0,45%, a US$ 46,79 por barril. Já o Brent para outubro, negociado na ICE, em Londres, avançou 1,26%, a US$ 49,85 por barril.
O dado do DoE mostrou que os estoques de petróleo cru caíram 2,5 milhões de barris na semana encerrada no dia 12 de agosto, contrariando as expectativas de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam alta de 500 mil barris. Os estoques de gasolina tiveram queda ainda mais acentuada, de 2,7 milhões de barris.
Os números foram publicados duas semanas depois do petróleo ter entrado no bear market, ou seja, quando a commodity teve queda de 20% ou mais em relação ao último pico de preços nos últimos seis meses.
Com essa queda, os temores dos investidores com um excesso de oferta da commodity no mercado aliviaram um pouco, mas ainda permanecem no radar. "O dado de uma semana não cria uma tendência", afirmou Bart Melek, chefe de estratégia de commodity na TD Securities, em Toronto.
Nos últimos dias, o petróleo vivenciou sessões de fortes altas e se aproximou novamente da faixa de US$ 50 por barril. A trajetória de alta foi ainda mais inclinada após a Organização dos Países Organizadores do Petróleo (Opep) revelar planos de uma reunião informal em setembro pra discutir possíveis manobras que ajudem os preços. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia