Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de agosto de 2016. Atualizado às 01h07.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crime Financeiro

Notícia da edição impressa de 17/08/2016. Alterada em 17/08 às 00h40min

Operação Blindagem combate fraude de R$ 74 milhões em ICMS

Auditores cumpriram mandados de busca em cidades do Interior

Auditores cumpriram mandados de busca em cidades do Interior


SEFAZ/DIVULGAÇÃO/JC
A Receita Estadual, em parceria com a Promotoria de Justiça Especializada Criminal no Combate aos Crimes Contra a Ordem Tributária do Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul, realizaram ontem a Operação Blindagem. O alvo foram duas indústrias de laticínios e uma empresa transportadora, por sonegação de mais de R$ 74 milhões em ICMS, nos últimos cinco anos.
Foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão nos municípios de Casca, Nova Araçá e São Domingos do Sul. O objetivo da operação é bloquear o patrimônio obtido pelos beneficiários das fraudes e, desta maneira, garantir a execução dos débitos e o ressarcimento do dinheiro desviado aos cofres do Estado.
Além de apurar o valor sonegado, a partir de diversos autos de lançamento nas empresas do grupo, o trabalho da Receita Estadual identificou o artifício do uso de interpostas pessoas, "laranjas", no quadro societário das empresas, além de ilícitos fiscais, como venda sem nota fiscal, falta de escrituração de operações e créditos indevidos de ICMS. O uso de laranjas no quadro societário tem a finalidade de blindar o patrimônio dos verdadeiros sócios e, assim, isentar das dívidas fiscais decorrentes dos ilícitos tributários.
A auditoria da Receita Estadual identificou o mentor e principal beneficiário do esquema de sonegação fiscal (sócio oculto) e o incluiu como responsável solidário das autuações. Ele chegou a ser preso em 2012, em outra ação em conjunto com o MP. Foram destacados 10 auditores-fiscais para atuar na operação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia