Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 12 de agosto de 2016. Atualizado às 00h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Balanço

Notícia da edição impressa de 12/08/2016. Alterada em 11/08 às 21h40min

Petrobras lucra R$ 370 milhões no 2º trimestre deste ano

 01072011-SAÍDA DA PLATAFORMA P-56 DA ENSEADA DO BANANAL, NA BAÍA DA ILHA GRANDE, EM ANGRA DOS REIS, RUMO À LOCAÇÃO NO CAMPO DE MARLIM SUL, NA BACIA DE CAMPOS (RJ) AGÊNCIA PETROBRAS

01072011-SAÍDA DA PLATAFORMA P-56 DA ENSEADA DO BANANAL, NA BAÍA DA ILHA GRANDE, EM ANGRA DOS REIS, RUMO À LOCAÇÃO NO CAMPO DE MARLIM SUL, NA BACIA DE CAMPOS (RJ) AGÊNCIA PETROBRAS


AGENCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
A Petrobras teve um lucro líquido de R$ 370 milhões no segundo trimestre deste ano. O número é positivo em relação aos três primeiros meses de 2016, quando registrou prejuízo de R$ 1,2 bilhão. No semestre, o prejuízo líquido ficou em R$ 876 milhões, revertendo o resultado positivo de R$ 5,861 bilhões apurado no mesmo período de 2015.
Segundo a empresa, vários fatores contribuíram para o resultado no segundo trimestre: a redução de 30% nas despesas financeiras líquidas, o crescimento de 7% na produção total de petróleo e gás natural, o incremento da receita com aumento de 14% nas exportações de petróleo e derivados e redução de custos com importações de gás natural, despesas com o programa de incentivo ao desligamento voluntário (PIDV) e o impairment (desvalorização) de ativos do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia