Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de agosto de 2016. Atualizado às 15h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 11/08 às 15h44min

Exportações gaúchas registram queda de 5% em julho

As exportações totais do Rio Grande do Sul seguem registrando perdas na comparação com 2015. Em julho, as vendas externas gaúchas totalizaram US$ 1,73 bilhão, o que representa uma queda de 5% em relação ao mesmo mês do ano passado.
Na análise por tipos de mercadorias, as commodities somaram US$ 722 milhões (elevação de 10,4%). Em nota divulgada nesta quinta-feira (11), a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) avaliou os números da balança, destacando que praticamente metade das perdas do setor exportador industrial no mês pode ser atribuída à Venezuela e à Rússia.
"São países marcados por instabilidade política e grave crise econômica, que diminuíram a demanda por carne do nosso estado. No entanto, o acordo firmado para o comércio de bovinos com os Estados Unidos é muito importante, o que deve ajudar a equilibrar parte das perdas recentes do segmento no futuro”, explica o presidente da Fiergs, Heitor José Müller.
As vendas externas da indústria de transformação foram de US$ 1 bilhão, valor 12,7% menor nessa base de comparação. Trata-se do nível mais baixo para os meses de julho desde 2005 (US$ 981 milhões). 
No mês passado, os venezuelanos reduziram a demanda por carne de frango in natura (-84%) e de laticínios (-92,3%), enquanto os russos importaram menos carne suína do Rio Grande do Sul (-61%). Em função disso, a categoria de Alimentos caiu 18,9%.
Produtos químicos, também (-33,7%), influenciados pela queda na cotação em dólar das mercadorias e pelo menor volume físico embarcado. Por outro lado, a contribuição positiva mais relevante veio de Tabaco (17,4%), mas com o crescimento favorecido pela baixa base de comparação. No mesmo período do ano passado, o valor exportado, de US$ 131,5 milhões, foi o mais baixo para o mês desde 2000.
Já entre janeiro e julho, as exportações totais alcançaram US$ 9,43 bilhões, valor 4,5% inferior aos sete primeiros meses de 2015. Por sua vez, a indústria caiu 4,3% (somou US$ 6,49 bilhões). O principal avanço ocorreu em Celulose e Papel (281,7%). Produtos Alimentícios (-12,3%), Produtos Químicos (-9,3%) e Máquinas e Equipamentos (-11,5%) foram os segmentos que recuaram mais intensamente.
Com compras de US$ 612 milhões, as importações gaúchas caíram 45,2%, o valor mais baixo desde 2005 para o mês (US$ 581 milhões). 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia