Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de agosto de 2016. Atualizado às 02h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

ARTIGO

Notícia da edição impressa de 10/08/2016. Alterada em 09/08 às 21h44min

Opinão Econômica: Ad gustum

Delfim Netto é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura

Delfim Netto é economista, ex-deputado federal e ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura


Folhapress/Arquivo/JC
Delfim Netto
Um dos aspectos mais deploráveis das discussões sobre a tragédia que atingiu a sociedade brasileira é a crítica "ad gustum" que tira prazer em fulanizar a sua autoria. Nem o ataque furibundo ao governo afastado nem a defesa enfadonha e repetitiva de seus correligionários têm grande relevância.
Procura-se negar, com argumentos inverossímeis: 1º) que não houve a aprovação de despesas antes que o Congresso autorizasse a alteração da "meta" com a justificativa que ela "seria anual", o que encerra um absurdo, uma vez que teríamos a meta "não vinculante" e 2º) afirma-se que as chamadas "pedaladas" sempre existiram, mas se ignora a especificidade e a dimensão das praticadas em 2014 e 2015, quando, de fato, caracterizaram empréstimos de bancos públicos para o Tesouro Nacional, operação incestuosa expressamente proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia