Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 17h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

08/08/2016 - 17h47min. Alterada em 08/08 às 17h47min

Petróleo fecha em alta em meio a expectativas de congelamento da produção na Opep

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira (8) em meio a novas expectativas de que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) possam considerar congelar a produção em meio ao excesso de oferta que predomina no mercado.
Com isso, o petróleo WTI para setembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 2,91%, a US$ 43,02 o barril. Já o Brent para outubro, negociado em Londres, na ICE, encerrou os negócios em alta de 2,52%, a US$ 45,39.
A Opep afirmou nesta segunda-feira que terá conversas informais durante uma conferência de energia em setembro, renovando as esperanças dos analistas de que os membros do cartel possam voltar a congelar a produção no segundo semestre. Representantes da Opep disseram ao The Wall Street Journal que um acordo nesse sentido pode ser costurado na última semana de setembro e aliviar o excesso de oferta.
"Esses boatos estão certamente comandando a alta agora", afirmou Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch & Associates.
As conversas sobre congelamento na produção acontecem uma semana após os preços do petróleo entrarem no chamado bear market - quando há um declínio de 20% ou mais em comparação a um pico recente. Para analistas, boa parte do problema está produção continuamente alta. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia