Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de agosto de 2016. Atualizado às 02h10.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 08/08/2016. Alterada em 08/08 às 02h12min

Yara espera iniciar obras em Rio Grande em agosto

Retomar o patamar de 2014 já é um grande feito, afirma Hanzen

Retomar o patamar de 2014 já é um grande feito, afirma Hanzen


ANTONIO PAZ/JC
A Yara, que detém 25% do mercado brasileiro e 40% do gaúcho de fertilizantes, tem expectativa de começar, ainda em agosto, as obras de modernização e ampliação de sua fábrica em Rio Grande. Resta apenas uma licença ambiental para dar o pontapé inicial no investimento de R$ 1 bilhão, confirmado em abril após o governo estadual garantir a redução de 75% da base tributária do setor nas vendas interestaduais pelos próximos oito anos. Ainda em 2016, serão aplicados R$ 100 milhões no projeto, que deve ser finalizado entre 2019 e 2020.
Em relação ao desempenho do mercado de uma maneira geral em 2016, a empresa espera crescimento entre 5% e 6% na comercialização de produtos. Com isso, depois de fechar 2015 com retração nas vendas, o segmento deve ao menos recuperar o percentual perdido naquele ciclo. No primeiro semestre, os resultados foram positivos, confirmando a tendência: evolução de 13% até junho na comparação com o mesmo período do ano passado. O otimismo só não é maior devido à projeção de leve queda entre julho e dezembro.
"Tendo em vista o cenário econômico, retomar ao patamar de 2014 já pode ser considerado um grande feito", analisa o presidente da Yara Brasil, Lair Hanzen. De acordo com Hanzen, após a escassez de crédito observada no ano passado, o que levou o produtor a plantar a mesma área com a mesma quantidade de fertilizante, a demanda voltou a crescer, assim como a oferta de financiamento. "A relação entre o número de sacas de soja necessárias para adquirir uma tonelada de fertilizantes está em um patamar historicamente baixo", completa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia