Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de agosto de 2016. Atualizado às 17h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

01/08/2016 - 17h49min. Alterada em 01/08 às 17h49min

Petróleo fecha em forte queda, pressionado por preocupações com excesso de oferta

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta segunda-feira, 1, pressionados por preocupações com o excesso de oferta global. O aumento do número de plataformas em atividade nos Estados Unidos, bem como relatos de que a produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) pode ter aumentado em julho, coordenou o movimento de queda da commodity.
Com esse cenário, o petróleo WTI para setembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em queda de 3,70%, a US$ 40,06 por barril. Já o Brent para outubro, negociado em Londres, na ICE, recuou 3,19% e encerrou as negociações a US$ 42,14.
A commodity já abriu o pregão em queda, mas foi no início da tarde que as perdas se acentuaram. O WTI chegou a cair mais de 4% e por um breve momento ficou abaixo dos US$ 40.
Desde que o petróleo ultrapassou a barreira psicológica dos US$ 50, em junho, os preços passaram a cair, seguindo uma combinação de excesso de oferta contínuo, sinais de aumento da produção nos EUA e na Opep. Nos EUA, o número de plataformas em atividade subiu oito vezes no balanço semanal nos últimos nove levantamentos.
Além disso, o petróleo reagiu à notícia de que a Saudi Aramco vai cortar seus preços de exportação para a Ásia no maior nível em 10 meses. Novos dados também mostraram que a produção no Irã, na Líbia e no Iraque aumentou em julho. Fonte: Dow Jones Newswires
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia