Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 31 de julho de 2016. Atualizado às 18h13.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

31/07/2016 - 18h14min. Alterada em 31/07 às 18h16min

No ato pró-impeachment no RS, movimentos pedem voto para candidatos em outubro

Lideranças de grupos contrários à presidente afastada, Dilma Rousseff, aproveitaram o ato deste domingo (31), na capital gaúcha, para pedir votos para os pré-candidatos ligados aos movimentos que, desde o ano passado, puxam o coro do impeachment nas ruas. "Ganhamos representatividade política", disse Antônio Gornatti, porta-voz do Movimento Vem pra Rua, do alto de um carro de som no Parque Moinhos de Vento.
A manifestação em defesa do impeachment reuniu 2 mil pessoas na tarde de hoje em Porto Alegre, de acordo com os organizadores. A Polícia Militar não divulgou estimativa de público.
O protesto durou pouco menos de três horas e teve a participação da Banda Loka Liberal, que costuma animar as manifestações do Movimento Vem pra Rua e do Movimento Brasil Livre com músicas a favor do impeachment em ritmo de marchinhas de carnaval. Entre uma canção e outra, os organizadores criticaram o PT, pediram a saída definitiva de Dilma e elogiaram a atuação do juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato.
Eles também aproveitaram para pedir o apoio da população nas eleições de 2016. "Precisamos de gente nova na política", disse Gornatti, do Vem pra Rua. Ele não citou nomes, mas, no chão, alguns pré-candidatos faziam o corpo a corpo com os cidadãos.
Um deles é Ramiro Rosário, que pretende concorrer a vereador de Porto Alegre. Ele é filiado ao PSDB desde 2009 e foi um dos fundadores do Movimento Brasil Livre no Rio Grande do Sul. Na manifestação, estava distribuindo cartões com seus contatos. Advogado, ele diz que abandonou temporariamente a profissão para se dedicar à campanha.
"Qual seria o sentido de fazer manifestações e não fazer o segundo passo, que é ocupar o espaço político? Porto Alegre tem uma tradição de esquerda e queremos mudar isso com uma renovação. Queremos apresentar outras bandeiras", disse à reportagem.
Em pleno inverno, Porto Alegre teve um dia de verão neste domingo. No meio da tarde, a temperatura atingiu 30 graus. A quatro quilômetros do Parcão, apoiadores da presidente afastada fizeram um protesto contra o impeachment, no Parque Farroupilha, a Redenção. O encontro também teve música e discursos de lideranças sociais e sindicais. De acordo com os organizadores, 4 mil pessoas participaram da mobilização.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia