Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de julho de 2016. Atualizado às 15h01.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Crise Política

18/07/2016 - 15h04min. Alterada em 18/07 às 15h04min

Dilma afirma que governo Temer quer implementar o parlamentarismo

 dilma José Cícero da Silva Agência Pública

A presidente afastada vê a mudança de sistema por trás de "golpe", disse no ABC paulista


JOSÉ CÍCIRO DA SILVA/AGÊNCIA PÚBLICA/DIVULGAÇÃO/JC
A presidente afastada Dilma Rousseff disse na tarde desta segunda-feira (18) que o governo interino de Michel Temer pretende implementar o parlamentarismo no País.
"Por trás desse golpe, tem uma ambição muito forte pelo parlamentarismo. No Brasil, todas as transformações ocorreram pelo voto majoritário para presidente. No voto proporcional, há uma imensa quantidade de filtros, oligarquias regionais, filtros de segmentos que fazem com que, na maioria das vezes, o Parlamento no Brasil seja mais conservador que o Executivo", afirmou Dilma durante encontro na Universidade Federal do ABC, em São Bernardo do Campo (SP).
"É visível quando dizem que o golpe pode ser feito por discordâncias políticas. Ora, nós vivemos no regime presidencialista, o chefe de Estado e de governo é um só. A força advém dos 54 milhões de votos obtidos. No caso do primeiro-ministro, pode receber voto de desconfiança, mas pode dissolver o Parlamento e convocar eleições gerais. Eles querem o parlamentarismo", acrescentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia