Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de julho de 2016. Atualizado às 22h27.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Tribunal de Contas do Estado

Notícia da edição impressa de 19/07/2016. Alterada em 18/07 às 20h06min

Orientação a gestores é prioridade, diz Postal

Na posse, Alexandre Postal disse que muitas prefeituras não têm técnicos especializados na área de contas

Na posse, Alexandre Postal disse que muitas prefeituras não têm técnicos especializados na área de contas


FREDY VIEIRA/JC
Marcus Meneghetti
Ex-deputado estadual e líder do governo na Assembleia Legislativa, Alexandre Postal (até então filiado ao PMDB) assumiu ontem a vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), com o compromisso de priorizar a orientação aos gestores públicos, para que evitem irregularidades na administração.
"O que o Brasil espera dos tribunais de contas é que eles possam mostrar aos gestores o melhor caminho da administração pública, antes que alguma irregularidade aconteça. Quero trazer a minha contribuição para esta Casa, para que ela não seja meramente punitiva, mas também orientadora", falou Postal.
Ele ainda criticou as sanções aplicadas principalmente a prefeitos, pois, em muitos municípios, as prefeituras não dispõem de corpo técnico especializado para encaminhar certos procedimentos de prestação de contas.
"Vi muitas pessoas valorosas desistirem de concorrer a prefeito por medo das sanções aplicadas pelo Tribunal de Contas", observou o ex-líder do governo.
Postal também defendeu as indicações políticas para o TCE. "O fato de alguns cidadãos terem exercido um mandato não significa que não tenham conhecimento técnico. Além disso, os técnicos não são de outro planeta, não existe uma única solução para os problemas", sustentou Postal, que assume a vaga na cota de indicação que cabe ao governador José Ivo Sartori (PMDB).
O ex-líder do governo fez inclusive uma revelação sobre sua indicação. "Governador Sartori, fiquei chateado (no início da gestão, depois da escolha do secretariado), porque acreditava que eu devia ser secretário. Mas, se tivesse sido, talvez não estivesse aqui. Então, obrigado, Sartori. Você é um sábio", completou, arrancando risadas da plateia, e do próprio governador.
A posse foi bastante prestigiada, com a presença de ex-governadores, como Germano Rigotto (PMDB) e Pedro Simon (PMDB). O auditório Romildo Bolzan estava tão lotado - os visitantes ocupavam as poltronas, os corredores e até o hall de entrada - que faltou assentos para as autoridades. Muitos parlamentares, prefeitos e vereadores tiveram que assistir à posse em pé.
Postal agradeceu aos aliados, ao eleitorado, mas principalmente ao seus mentores na carreira política. "Gostaria de saudar o ex-governador e ex-senador Pedro Simon, meu guia. Também queria cumprimentar o ex-governador Germano Rigotto, que me deu a oportunidade de ser líder do governo pela primeira vez, além de me chamar para ser secretário dos Transportes", falou, olhando para Simon e Rigotto, que estavam nas primeiras filas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia