Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de julho de 2016. Atualizado às 22h53.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

13/07/2016 - 22h53min. Alterada em 13/07 às 22h53min

Renan diz que Senado vota em agosto autonomia do BC e terceirização

Num balanço das atividades do Senado no primeiro semestre, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou há pouco que no retorno das atividades legislativas os senadores vão apreciar os projetos que tratam da autonomia formal para a escolha dos diretores do Banco Central (BC), que regulamenta a terceirização no País e o que atualizam os códigos penal e aeronáutico brasileiros.
Em seu pronunciamento, Renan fez questão de citar nominalmente 70 matérias que ele considerou de principais das 138 votadas pelo Senado no primeiro semestre. "O Senado tem sido o esteio de temperança, sobriedade e estabilidade no momento atual da nossa República", disse Renan. "Essas votações foram feitas, nós não podemos esquecer, em meio a uma severa crise econômica e política, mas, ao contrário do que se poderia imaginar, não paralisou o Senado Federal", completou.
Recuperação - O presidente do Senado destacou em sua fala que é dessa forma que a Casa Legislativa contribui para a estabilização econômica, política e social do País. E fez um afago, ainda que sem citá-lo nominalmente, ao presidente em exercício, Michel Temer, que ontem completou dois meses na gestão interina. Segundo Renan, o Brasil já apresenta sinais de recuperação com a expectativa de crescimento do Produto Interino Bruto (PIB) em 2017 da ordem de 2017. Ele ressaltou que o Senado contribuiu para essa recuperação.
Impeachment - O peemedebista disse que a previsão do julgamento do impeachment de Dilma dure de quatro a cinco dias. Ele afirmou acreditar que a sessão deve começar a partir do dia 25 de agosto se houver a sentença de pronuncia contra a presidente afastada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia