Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 18h36.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

12/07/2016 - 18h38min. Alterada em 12/07 às 18h38min

Jogos de azar saem da pauta do Senado e votação de limite para dívida é adiada

Dois projetos considerados prioritários para o governo acabaram saindo da pauta de votações do Senado Federal. A proposta que regulamenta os jogos de azar e o projeto que determina um limite global para a dívida da União não serão mais votados antes do recesso parlamentar, que se encerra em agosto.
Apesar de prioritárias, as propostas também eram consideradas polêmicas e o governo não conseguiu encontrar em sua base o apoio necessário para seguir com as votações.
Diante de muitas dúvidas de senadores e manifestações públicas de entidades preocupadas com o projeto que regulamenta os jogos de azar, o governo preferiu recuar. O relator do projeto, Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), pediu que a proposta fosse retirada de pauta. O governo calcula que o projeto poderia arrecadar R$ 15 bilhões aos cofres da União.
Já o projeto que determina um limite global para a dívida da União não foi retirado de pauta, mas teve sua votação adiada. Como o recesso legislativo se inicia nesta semana, a proposta só poderá voltar à pauta em agosto.
O governo tem dúvidas se deve levar o projeto adiante ou focar as energias na proposta que limita os gastos da União, anunciada pela equipe econômica de Michel Temer tão logo ele assumiu o governo. Apesar de diferentes, o governo entende que os projetos podem ter efeito semelhante sobre as contas públicas, o que diminuiria a urgência de se aprovar a matéria do limite da dívida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia