Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 15h00.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Novo Governo

12/07/2016 - 15h02min. Alterada em 12/07 às 15h02min

Senadora Ana Amélia cobra de Temer melhora na política de comunicação do governo

 Plenário do Senado   Plenário do Senado durante sessão deliberativa extraordinária que decidirá pela aprovação ou rejeição do relatório favorável à admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.      Em discurso, senadora Ana Amélia (PP-RS)      Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Ana Amélia cobrou do presidente em exercício, Michel Temer, a melhoria na política de comunicação do governo


GERALDO MAGELA/AGÊNCIA SENADO/JC
A senadora Ana Amélia (PP-RS) cobrou do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), a melhoria na política de comunicação do governo, com o intuito de derrubar o discurso contrário ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).
Durante encontro de Temer com a bancada ruralista, em Brasília (DF), a senadora gaúcha disse que dentro do Congresso a narrativa de que o impeachment é golpe foi fragilizada, mas que outros temas, como a perda de direitos trabalhistas, precisam de uma posição clara do governo para que rumores sejam afastados.
"Conseguimos fragilizar a narrativa do golpe, mas (...) há a necessidade de uma melhoria na comunicação. A narrativa ontem era que o governo vai derrubar todos os direitos trabalhistas, previdenciários e vai voltar a (jornada de trabalho de) 80 horas semanais", disse.
"É uma novela, uma narrativa que, vou te dizer, se não se atacar isso como se fez em relação ao golpe, vai acabar em terrorismo, com folhetos distribuídos nas rodoviárias e periferias mais fragilizadas. Não podemos perder essa guerra da comunicação", emendou a senadora, que é jornalista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia