Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 13h29.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Câmara dos Deputados

12/07/2016 - 13h30min. Alterada em 12/07 às 13h30min

Ex-aliado, Mansur renega Cunha em campanha para mandato tampão

O deputado Beto Mansur (PRB-SP), primeiro-secretário da Câmara, criticou nesta terça-feira (12) a estratégia do colega Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tenta conquistar votos para a eleição da presidência da Casa entre antigos adversários. "Ele cometeu um erro político ao buscar votos no PT. Não dá para fazer alianças exóticas. A política não permite isso", afirmou o Mansur.
O parlamentar do PRB registrará sua candidatura às 15h30min na Secretaria-Geral da Mesa. A avaliação dele é que Maia, que tenta ser o candidato único do bloco formado pela antiga oposição, não terá os votos petistas e ainda pode perder o apoio do PSDB devido ao gesto.
Ex-aliado de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Mansur agora tenta descolar seu nome do ex-presidente da Câmara. "Nunca tive relação com o Eduardo Cunha. Ele devia ter renunciado no dia seguinte ao impeachment (da Dilma), mas deixou sangrando a Casa. Se o caso vier ao Plenário, ele será cassado. A agenda dele não pode se confundir com a agenda da Câmara", disse.
O deputado minimiza o fato de ser o líder de pendências judiciais entre os candidatos ao comando da Câmara. Entre outros processos, Mansur responde a um processo por exploração de trabalho análogo à escravidão em uma fazenda no interior de Goiás. O caso envolve 46 trabalhadores, sete dos quais eram menores de idade na época.
"Isso tem um peso político, mas não sou alvo de nenhuma ação por desvio de dinheiro público. E o trabalho escravo não se configurou no caso da fazenda", disse. O parlamentar, que é de Santos, no litoral paulista, espera deixar como seu "legado" um prédio de R$ 300 milhões que será usado como anexo para receber gabinetes de deputados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia