Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 12h54.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

12/07/2016 - 12h55min. Alterada em 12/07 às 12h55min

Marcelo Castro é escolhido candidato único do PMDB para presidência da Câmara

Castro foi escolhido em uma votação interna da bancada peemedebista

Castro foi escolhido em uma votação interna da bancada peemedebista


EVARISTO SA/AFP/JC
Agência Brasil
Após mais de uma hora de reunião a portas fechadas, o PMDB escolheu o deputado e ex-ministro da Saúde, Marcelo Castro (PI), para ser o candidato único do partido na eleição à presidência da Câmara dos Deputados, após a renúncia de Eduardo Cunha, que é a legenda.
Castro conquistou 28 votos e venceu o atual presidente da Comisssão de Constituição e Justiça (CCJ), Osmar Serraglio (PR), no segundo turno de votação. No total, foram 46 votantes. O PMDB, que tem a maior bancada da Casa, tem 66 integrantes. 
O deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG) já havia se registrado para a disputa. Com a decisão de hoje, a orientação é que ele retire a candidatura. 
Mais cedo, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse hoje (12) que "o governo trabalha com a ideia da base ter um candidato único" para a presidência da Câmara dos Deputados.
"Nós estamos trabalhando para que se tenha um só candidato. É possível construir a candidatura única. Não tem por que nós criarmos a possibilidade de ter qualquer arranhão na base. Nós temos o projeto de um novo Brasil e esse novo Brasil passa por a gente ter condições de ter na Câmara a base que nós temos hoje. Não podemos correr riscos", disse o ministro.
O clima em torno do novo comando da Casa fica mais acirrado após partidos de oposição anunciarem uma reunião na liderança do PT no início da tarde. O partido de Dilma decidiu não apoiar o nome de Rodrigo Maia (DEM-RJ), que pode ser o décimo segundo candidato a se registrar oficialmente. Maia é apontado como uma alternativa a nomes mais ligados a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), porém o PT descartou a Maia, pois ele votou a favor do processo de impeachment de Dilma.  
A confirmação do nome de Maia na disputa pode levar a uma possível divisão na base aliada a Michel Temer. "Temer me ligou para trocar ideias, mas nunca para declarar apoio a mim ou simpatia a outros candidatos", afirmou Rodrigo Maia. Em entrevista concedida na manhã de hoje, Maia afirmou que a eleição será decidida voto a voto e disse que os candidatos terão que procurar e conquistar cada apoio na Casa.
Segundo o deputado, o novo presidente da Câmara precisa buscar um ambiente de diálogo e pacificar a Casa. "Temos que devolver ao plenário a soberania dos votos", defendeu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia