Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de julho de 2016. Atualizado às 22h39.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Lei de Diretrizes Orçamentárias

Notícia da edição impressa de 12/07/2016. Alterada em 11/07 às 22h38min

Relator da LDO atribui atraso a processo de impedimento

O relator-geral da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, senador Wellington Fagundes (PR-MT), afirmou ontem que o governo do presidente interino Michel Temer (PMDB) não pretende enviar ao Congresso qualquer proposta que preveja alta de impostos antes da votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Ele avaliou que o fato de não ter havido uma conclusão do processo de impedimento tem adiado o governo a tomar decisões.
"O governo ainda se sente na instabilidade da interinidade", disse Fagundes, que se reuniu no domingo com Temer. Na ocasião, afirmou, o peemedebista fez um apelo para que ele apresentasse seu parecer da LDO de forma a dar "sinais" para o mercado e garantir a votação da proposta na Comissão Mista de Orçamento amanhã.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia