Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de julho de 2016. Atualizado às 08h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

06/07/2016 - 08h13min. Alterada em 06/07 às 08h58min

Polícia Federal cumpre mandados da Lava Jato em Porto Alegre e no Rio de Janeiro

Um dos alvos é o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva

Um dos alvos é o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva


MARCELO G. RIBEIRO/JC
A Polícia Federal (PF) abriu nova operação nesta quarta-feira (6). A ação cumpre dez mandados de prisão no Rio e em Porto Alegre. Um dos alvos é o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, que está em prisão domiciliar.
O almirante já é réu em processo na 7ª Vara Federal Criminal, no Rio. Othon Pinheiro é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro, acusado de receber ao menos R$ 4,5 milhões em propinas para facilitar a contratação dos consórcios responsáveis pelas obras da usina de Angra 3.
O caso do almirante e de outros 13 acusados de participar do esquema de desvios nas obras da usina de Angra 3, estava sob responsabilidade do juiz Sérgio Moro, que cuida das ações da Lava Jato na Justiça Federal no Paraná. Por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), contudo, o caso da Radioatividade foi deslocado para a Justiça Federal no Rio.
Cento e trinta policiais federais cumprem, no Estado no Rio de Janeiro e em Porto Alegre, além das seis prisões preventivas, outros três mandados de prisão temporária, nove de condução coercitiva e 26 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pela 7º Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. A ação está sendo realizada em conjunto com o Ministério Público Federal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia