Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de julho de 2016. Atualizado às 20h46.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

novo governo

05/07/2016 - 20h46min. Alterada em 05/07 às 20h46min

Meta fiscal de 2017 deve ficar entre R$ 150 bi e R$ 160 bilhões, diz Rose de Freitas

A líder do governo no Congresso, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), afirmou nesta terça-feira, 5, em entrevista à reportagem que a nova meta fiscal de 2017 ficará entre R$ 150 bilhões e R$ 160 bilhões. Embora admita que haja uma discussão dentro do governo do presidente em exercício, Michel Temer, de uma eventual alta de tributos, a senadora disse ser difícil um apoio popular para essa elevação de impostos após a gestão ter mantido aumentos para o funcionalismo público negociados pelo governo da presidente afastada, Dilma Rousseff.
Para Rose, seria um "contrassenso" o governo aumentar os tributos para a população após um eventual afastamento definitivo de Dilma, caso ela seja condenada por crime de responsabilidade pelo Senado.
A senadora reconheceu que, sem um aumento de tributos, não é possível fazer no próximo ano um déficit menor do que o projetado para 2016, de R$ 170,5 bilhões. "Vão ter que repetir a dose", disse.
A líder governista afirmou que é importante o governo Temer aprovar a nova meta fiscal antes do recesso parlamentar de meados de julho para dar "bons sinais". "É de bom alvitre", sintetizou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia