Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de julho de 2016. Atualizado às 09h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

01/07/2016 - 09h30min. Alterada em 01/07 às 09h38min

JBS afirma que não é alvo nem está relacionada com operação da PF

A JBS nega estar relacionada à operação da Polícia Federal que ocorre nesta sexta-feira (1). Em um breve comunicado ao mercado, divulgado pela manhã desta sexta-feira (1) na página da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a companhia diz que "não é alvo e não está relacionada" com a operação, bem como seus executivos.
A Polícia Federal continua na sede do grupo J&F, que além da JBS é também controlador da Eldorado Brasil Celulose, e segundo a assessoria de imprensa, a ação acontece apenas nos escritórios da fabricante de celulose. Os policiais buscam documentos referentes ao Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS).
A J&F foi citada em delação premiada do ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto. De acordo com ele, o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), recebeu propinas em 12 operações de grupos empresariais que obtiveram aportes milionários do FI-FGTS.
Uma das propinas relatadas por Cleto refere-se à captação de recursos feita em 2012 pela Eldorado Brasil. O valor pleiteado inicialmente foi de R$ 1,8 bilhão para obras numa fábrica em Três Lagoas (MT), mas acabou reduzido para R$ 940 milhões. Nesse caso, Cleto disse acreditar que Cunha tenha recebido valor superior a 1% como comissão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia