Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de julho de 2016. Atualizado às 17h52.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 27/07/2016. Alterada em 27/07 às 17h54min

Brasil urgente - um estadista

Paulo Vellinho
O impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) trouxe esperanças de uma saída para a grave crise que o Brasil enfrenta, traduzida em inflação, recessão e a tragédia do desemprego - praticamente, atingimos um quadro de desgoverno.
Porém, nesses poucos dias de gestão de Michel Temer (PMDB), ficou evidente de que, a despeito de suas qualidades de político hábil, maneiroso e com trânsito entre seus colegas, falta-lhe postura firme para fazer frente ao desafio que o País atravessa, talvez, pela atual transitoriedade do seu governo.
Após discursos plenos de boas intenções, pouco a pouco a expectativa em relação à mudança de comando da nação está se transformando em dúvida para não dizer desencanto.
O ministério de "notáveis" por ele anunciado limitou-se à área econômica e o restante de sua equipe é constituída de velhas raposas que ressuscitaram do ostracismo - e com enorme disposição.
Apesar de ele ter dito e repetido que o Brasil tem pressa, o que se constata é que não está resistindo ao populismo de curto prazo e jogou para depois da decisão do impeachment pelo Senado a proposição das medidas que não teve coragem de adotar até agora - ao descrevê-las como impopulares já gerou expectativa negativa na sociedade; é o perigo do uso de adjetivos que libera a imaginação.
Para quem, como eu, afirmava e continuo afirmando que o País precisa de uma estadista com o perfil de uma Margaret Thatcher, este governo, a ser confirmado até 2018, não está demonstrando a energia e a autoridade necessárias para conseguir fazer aprovar as reformas política, administrativa, trabalhista, tributária, previdenciária e o fortalecimento do federalismo.
Isto porque a base parlamentar que o apoia está comprometida com o passado recente de um Congresso muito mais interessado em "deixar como está para ver como é que fica" do que, verdadeiramente, contribuir para a construção de um projeto de nação.
Empresário
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia