Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 23h46.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 15/07/2016. Alterada em 14/07 às 20h46min

Continua a PED

Carlos Henrique Horn
Há alguns anos, em palestra proferida num encontro dos bancos de desenvolvimento, o renomado economista e Nobel de Economia Joseph Stiglitz alertava que é muito fácil fechar instituições. Difícil é construí-las. Lembrei-me desta lição ao ser informado que a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) - uma atividade conjunta da FEE, da Fgtas/Sine e do Dieese que propicia amplo e profundo conhecimento sobre o mercado de trabalho na Região Metropolitana de Porto Alegre - estaria com os dias contados. Por ora, felizmente, tudo não passou de um susto.
A PED gaúcha integra um sistema de informações sobre o mercado de trabalho instituído no ano de 1985 em São Paulo e que se espalhou por várias regiões metropolitanas do Brasil. Em Porto Alegre, as informações vêm sendo coletadas, sistematizadas e analisadas desde 1992 por uma equipe especializada ao abrigo da Fundação de Economia e Estatística. São mais de duas décadas de cuidadoso levantamento de dados que nos permitem conhecer a realidade do mercado de trabalho local, afastando-nos da escuridão da ignorância e oferecendo entendimento a cientistas, operadores de mercados e formuladores de políticas públicas.
Além da perda de informação regular sobre o mercado de trabalho que o agora evitado fechamento da PED acarretaria, há outra nem sempre percebida por usuários e público em geral. Trata-se da perda do conhecimento sobre como realizar levantamento de informações em milhares de domicílios - seleção da amostra, aplicação de questionários, revisão e supervisão. Esse conhecimento fortalece nossas instituições de pesquisa, em especial a FEE, em novos empreendimentos. Portanto, parabéns a todos os que, atentos ou não à lição de Stiglitz, se mobilizaram para impedir que um esforço coletivo de mais de 20 anos fosse desperdiçado.
Professor da Faculdade de Ciências Econômicas/Ufrgs
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia