Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de setembro de 2016. Atualizado às 13h13.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Editorial

Notícia da edição impressa de 12/07/2016. Alterada em 11/07 às 20h33min

Fiscalização para evitar as fraudes na Previdência

Em meio às dificuldades financeiras do Tesouro Nacional, não apenas em 2016, mas projetadas para 2017, com rombos bilionários que criam déficits inimagináveis, o governo federal vem buscando eliminar os ralos por onde escoam as despesas da Unidão, especialmente os gastos que poderiam ser evitados.
É o caso da Previdência Social, que paga mal a quem não deveria ganhar mal, caso dos aposentados e pensionistas que recebem acima de um salário-mínimo, enquanto há milhares recebendo do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), quando não têm mais direito.
Por isso e com o objetivo de encontrar irregularidades e fraudes em benefícios de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez da Previdência Social, o governo federal vai pagar um bônus especial de R$ 60,00 por perícia para médicos do INSS.
O bônus terá validade de dois anos e passa a valer em 1 de setembro. Estão na mira dessa revisão benefícios pagos em casos de incapacidade há mais de dois anos e que não foram revisados desde então.
Nessa categoria, há 840 mil auxílios-doença, que consomem R$ 1 bilhão mensalmente dos cofres do governo, e 3 milhões de aposentadorias por invalidez, cujo gasto mensal chega a R$ 3,6 bilhões. As medidas têm potencial para proporcionar uma economia anual de R$ 7,1 bilhões.
Também serão reavaliadas 4,2 milhões de inscrições no Benefício de Prestação Continuada (BPC), concedido a idosos ou pessoas com deficiência cuja renda familiar per capita é menor que um percentual do salário-mínimo. Em 2015, o gasto com o BPC chegou a R$ 39,6 bilhões.
Será publicada Instrução Normativa para definir quais os critérios de convocação e como as consultas serão agendadas. A expectativa é que as convocações comecem a ser feitas já a partir de agosto. O governo também avalia fazer mutirões de consultas em várias cidades do País.
Engajado na ideia, o Ministério do Trabalho e Previdência Social, ao qual o INSS é ligado, informou que haverá um acréscimo de 100 mil perícias. A Medida Provisória nº 739, já publicada, define o prazo de 120 dias para o término do benefício de auxílio-doença concedido por meio de decisão judicial.
De acordo com o ministério, muitas decisões da Justiça até então não definiam prazos, razão para uma série de irregularidades. É uma situação esdrúxula, pois os benefícios são concedidos sem que haja um acompanhamento e fiscalização, pelo menos como deveria ser feito.
De qualquer forma, sabe-se que a cultura de "se encostar" no INSS está enraizada no Brasil, de Norte a Sul, com bilhões de reais sendo pagos, consequentemente, de maneira errada.
Assim, em boa hora se faz uma revisão nos benefícios citados. É muito dinheiro sendo desperdiçado, enquanto muitos que merecem, realmente, estar "encostados" no INSS dependem de perícias médicas que demoram para ser agendadas por falta de profissionais.
Reorganizar os serviços do INSS é fundamental para o País. Em época de déficits bilionários no governo federal, não se pode deixar de lado verificações periódicas em tudo o que é feito com o dinheiro público, inclusive na área da saúde, por mais antipático que possa parecer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
raimundo jesus 18/09/2016 02h21min
BILHÕES ANUAIS de FRAUDES GOLPES e do=NÃO=REPASSE=SONEGAÇÕES=CALOTE=DÍVIDAS-etc-por parte das EMPRESAS PREFEITURAS ESTADOS etc e da ISENÇÃO por parte dos BILIONÁRIOS donos de IGREJAS SEITAS ONG's FILANTROPIAS etc tudo prejudicando a própria PREVIDENCIA INSS AUXILIODOENÇA AJUDAS PROGRAMAS SOCIAIS LEI ROUANET etc etc o pior de tudo é a total falta de MOBILIZAÇÃO dos TRABALHADORES ATIVOS INATIVOS e como de todos os cidadões estudantes jovens adultos etcn=ne principalmente por parte dos que já co
Luiiz Roberto da Silva 02/09/2016 09h52min
Com fraudes multibilionárias fica difícil a previdencia se sustentar, eu mesmo posso apontar muitos que sei que vivem de fraudar a previdencia e com isso têm uma vida de rico sem trabalhar.